REBECA DE MORAES

Sócia-fun­da­do­ra e
dire­to­ra da Auro­ra

O CONSUMIDOR GAMA:
UM NOVO PARADIGMA PARA

ESTUDAR TENDÊNCIAS

O CONSUMIDOR GAMA:
UM NOVO PARADIGMA PARA

ESTUDAR TENDÊNCIAS

O CONSUMIDOR GAMA:
UM NOVO PARADIGMA PARA

ESTUDAR TENDÊNCIAS

REBECA DE MORAES

Sócia-fun­da­do­ra e
dire­to­ra da Auro­ra

REBECA DE MORAES

Sócia-fun­da­do­ra e
dire­to­ra da Auro­ra

Ao lon­go da nos­sa con­ver­sa, Tra­cie dis­se: ‘a gen­te não é it girl, é it fave­la’”

    Era janei­ro de 2016, e eu tinha o desa­fio de for­mar um gru­po de mulhe­res ante­na­das com movi­men­tos emer­gen­tes, para um pro­fun­do estu­do de ten­dên­ci­as de moda. Pro­cu­ra­va não o que se cha­ma de early adop­ter, que ape­nas copi­as­se o que acon­te­ce no exte­ri­or, mas con­su­mi­do­ras que me mos­tras­sem como novos com­por­ta­men­tos já come­ça­vam a ser assi­mi­la­dos no Bra­sil.

    Num dia de calor pau­lis­ta­no, encon­trei na Pra­ça Roo­se­velt as gême­as Tra­cie e Tasha Oke­re­ke. Era nos­sa pri­mei­ra con­ver­sa, e antes de avis­tá-las com rou­pas que con­fun­di­am minha cabe­ça, ao mis­tu­rar uma cara de bre­chó com uma pega­da moder­na, tudo o que eu sabia é que eram donas do blog mais inte­res­san­te que eu havia vis­to nos últi­mos tem­pos, o Expen­si­ve $hit. O site (que já cha­ma­va aten­ção pelo nome ins­pi­ra­do num dis­co de Fela Kuti, um dos mai­o­res músi­cos afri­ca­nos) tinha tex­tos sobre íco­nes do movi­men­to negro, escri­tos em lin­gua­gem fala­da (“esse mano foi um cara…”). Em cada tex­to eram ilus­tra­dos edi­to­ri­ais de moda em que as irmãs mode­la­vam usan­do rou­pas com­pra­das a R$ 10, foto­gra­fa­dos por ami­gos com celu­la­res obso­le­tos. Eram ima­gens lin­das, inte­res­san­tes, que dei­xa­ri­am Mario Tes­ti­no boqui­a­ber­to.

    Ao lon­go da nos­sa con­ver­sa, Tra­cie dis­se: “a gen­te não é it girl, é it fave­la”. Em uma fra­se, resu­miu o que pro­cu­ra­mos em todos os con­su­mi­do­res gama: a capa­ci­da­de de estar sob efei­to do zeit­geist, o cha­ma­do “espí­ri­to do tem­po”, mas adap­tan­do o novo às suas vidas. É como se me dis­ses­sem: “sabe­mos das it girls e conhe­ce­mos o que elas repre­sen­tam: ser blo­guei­ra, influ­en­ci­ar pes­so­as… Mas nos­so con­tex­to é outro, então, para viver esse novo, o rein­ven­ta­mos e adap­ta­mos à nos­sa rea­li­da­de”. Se segui­mos esses early adop­ters, como nor­mal­men­te faz o mer­ca­do de ten­dên­ci­as, não enten­de­mos como uma ten­dên­cia apa­re­ce­rá no mains­tre­am.

    Gama é uma nova cate­go­ria de con­su­mi­dor, fun­da­men­tal para enten­der as ten­dên­ci­as de con­su­mo para os pró­xi­mos anos. Esses con­su­mi­do­res usam a novi­da­de da manei­ra que é pos­sí­vel para suas vidas. E dis­so o Bra­sil enten­de bem. É como já fize­ram os tro­pi­ca­lis­tas nos anos 1970, mis­tu­ran­do Bea­tles com músi­ca tra­di­ci­o­nal bra­si­lei­ra para cri­ar o dis­co-mani­fes­to “Tro­pi­cá­lia ou Panis et Cir­cen­cis”. Ou Oscar Nie­meyer, que apren­deu a tec­no­lo­gia do fran­cês Le Cor­bu­si­er, mas cri­ou com linhas cur­vas uma arqui­te­tu­ra tipi­ca­men­te bra­si­lei­ra. É nes­sa mis­tu­ra que pre­ci­sa­mos inves­ti­gar ten­dên­ci­as que façam sen­ti­do para a gen­te.

Ao lon­go da nos­sa con­ver­sa, Tra­cie dis­se: ‘a gen­te não é it girl, é it fave­la’”