REBE­CA DE MORA­ES

Sócia-fun­da­do­ra e
dire­to­ra da Auro­ra

2019:

UM ANO PARA ABRA­ÇAR
AS INSE­GU­RAN­ÇAS DOS CON­SU­MI­DO­RES

2019:

UM ANO PARA ABRA­ÇAR AS INSE­GU­RAN­ÇAS DOS CON­SU­MI­DO­RES

2019:

UM ANO PARA ABRA­ÇAR AS INSE­GU­RAN­ÇAS DOS CON­SU­MI­DO­RES

REBE­CA DE MORA­ES

Sócia-fun­da­do­ra e
dire­to­ra da Auro­ra

REBE­CA DE MORA­ES

Sócia-fun­da­do­ra e
dire­to­ra da Auro­ra

Cada vez mais que­re­mos que o outro, este que tam­bém nos vali­da, dê res­pos­tas sobre nós mes­mos”

    Fal­ta­vam dez dias para o pri­mei­ro tur­no das elei­ções pre­si­den­ci­ais. Um ami­go me man­da uma men­sa­gem dizen­do que tinha aca­ba­do de fazer um tes­te on-line, no site de um jor­nal, para saber qual can­di­da­to tinha mais a ver com ele. Me pare­ceu estra­nho. Eu tinha notí­ci­as de que ele já sabia em quem vota­ria. Então por que fez o tes­te? “Que­ria que alguém me dis­ses­se o que eu no fun­do já sabia”, me res­pon­deu.

   Meu ami­go cer­ta­men­te não foi o úni­co deci­di­do a fazer esse tes­te. E o sen­ti­men­to dele é o de tan­tas outras pes­so­as: dian­te de um mun­do tão incer­to, nada mais pare­ce cer­to – nem mes­mo quem eu sou. Cada vez mais que­re­mos que alguém nos dê res­pos­tas. Ou que um apli­ca­ti­vo, com sua inte­li­gên­cia arti­fi­ci­al, com o ates­ta­do mate­má­ti­co dos algo­rit­mos, me dê uma res­pos­ta que soe incon­tes­tá­vel para per­gun­tas difí­ceis de res­pon­der. A Net­flix con­se­gue dizer qual fil­me eu pro­va­vel­men­te que­ro assis­tir, o iFo­od tem reco­men­da­ções cer­tas para meu jan­tar. Mas as empre­sas ain­da não con­se­guem dizer quem sou eu, como é minha per­so­na­li­da­de. E cada vez mais que­re­mos que o outro, este que tam­bém nos vali­da, dê res­pos­tas sobre nós mes­mos.

   A elei­ção pre­si­den­ci­al já fez seu novo repre­sen­tan­te. O que ficou, e arras­ta­mos para 2019, é só (e não é pou­co!) inqui­e­ta­ção. Eco­no­mia, empre­go e segu­ran­ça nas cida­des, que já eram ques­tões difí­ceis pré-perío­do elei­to­ral, ago­ra viram gran­des pon­tos de inter­ro­ga­ção que leva­mos para o ano que vem. E a dúvi­da é vizi­nha de inse­gu­ran­ça. A incer­te­za dos con­su­mi­do­res é uma ten­são que as ten­dên­ci­as de con­su­mo deve­rão dar con­ta de abra­çar.

   Uma das ten­dên­ci­as que a Sole­dad iden­ti­fi­cou para os pró­xi­mos anos, Meu Mís­ti­co, traz exa­ta­men­te este dile­ma: dian­te de tan­ta incer­te­za lá fora, os bra­si­lei­ros pas­sam a olhar mais para den­tro, abra­çan­do o mis­ti­cis­mo de memes de astro­lo­gia a banhos de ervas, em bus­ca da res­pos­ta para a per­gun­ta de um milhão de dóla­res: Quem sou eu? O que estou fazen­do aqui? É uma ten­dên­cia em anda­men­to: nos­sa pes­qui­sa mos­tra que 43% dos bra­si­lei­ros já bus­cam pelo mis­ti­cis­mo para auto­co­nhe­ci­men­to e para se conec­ta­rem con­si­go.

   A bus­ca pelo mís­ti­co é um movi­men­to glo­bal. Nos Esta­dos Uni­dos, o trá­fe­go em sites de astro­lo­gia dobrou nos últi­mos três anos. Quem puxa essa fila são os mil­len­ni­als (nas­ci­dos entre o iní­cio dos anos 80 e mea­dos dos 90), que dizem ter fica­do mais estres­sa­dos do que nun­ca após a che­ga­da de Donald Trump ao poder, o que ao mes­mo tem­po fez cres­cer a sen­sa­ção de incer­te­za sobre o futu­ro do país. A com­bi­na­ção de estres­se e incer­te­za resul­tou no ambi­en­te per­fei­to para essa onda de bus­cas por nar­ra­ti­vas cons­ci­en­te­men­te irre­ais e intan­gí­veis para pen­sar o futu­ro e ter em algum lugar uma car­ta, um cris­tal ou ape­nas uma nar­ra­ti­va que diga o que todos que­rem ouvir: isso vai pas­sar!

   O desa­fio do con­su­mo para 2019 é não só olhar para a rela­ção dos con­su­mi­do­res com esse mís­ti­co, mas tam­bém pen­sar como ori­en­tar os algo­rit­mos para reve­lar tra­ços da iden­ti­da­de des­ses bra­si­lei­ros. Tor­nar a inte­li­gên­cia arti­fi­ci­al capaz de res­pon­der a essa que é a per­gun­ta fun­da­men­tal de um futu­ro vol­ta­do ao huma­nis­mo e aos dese­jos indi­vi­du­ais: Quem sou eu?

Cada vez mais que­re­mos que o outro, este que tam­bém nos vali­da, dê res­pos­tas sobre nós mes­mos”