ARTI­GO
A pror­ro­ga­ção já come­çou para a huma­ni­da­de
Claus Blau
Faci­li­ta­dor na Hyper Island

A PAN­DE­MIA MAR­CA o fim do sécu­lo 20” afir­ma a his­to­ri­a­do­ra Lilia Schwarcz, refe­rin­do-se a Eric Hobs­bawm, para quem o sécu­lo 19 só ter­mi­nou com o fim da Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al, em 1918. Assim como o juiz de fute­bol não encer­ra o jogo exa­ta­men­te aos 45 minu­tos, não pode­mos con­si­de­rar uma mudan­ça de épo­ca com um sim­ples mar­ca­dor de tem­po, e sim com um “mar­co” trans­for­ma­dor. Como é o caso da pan­de­mia em 2020.

Mas, des­ta vez, ao con­trá­rio de todos os outros gran­des acon­te­ci­men­tos his­tó­ri­cos, 100% de uma huma­ni­da­de inter­co­nec­ta­da foi afe­ta­da pelo mes­mo acon­te­ci­men­to. E des­ta vez, ao con­trá­rio dos outros acon­te­ci­men­tos his­tó­ri­cos, esta­mos sofren­do cole­ti­va­men­te as con­sequên­ci­as de como tra­ta­mos a natu­re­za. Será que hoje, além de ini­ci­ar­mos um novo sécu­lo, não esta­mos tam­bém ini­ci­an­do um novo milê­nio, uma mudan­ça mui­to mais pro­fun­da?

Só o futu­ro dirá. E tal­vez algu­mas fichas só vão cair com o pas­sar do tem­po, com as con­sequên­ci­as econô­mi­cas e psí­qui­cas da pan­de­mia. Mas será que o que esta­mos viven­do ago­ra não está final­men­te nos mos­tran­do o que sécu­los de um pen­sa­men­to frag­men­ta­dor nos impe­diu de ver, de que somos todos irre­me­di­a­vel­men­te inter­de­pen­den­tes? Será que o “mar­co” do iní­cio do ter­cei­ro milê­nio é a cons­ci­ên­cia cole­ti­va de que somos todos par­te de um mes­mo todo e de que a for­ma como nós con­su­mi­mos afe­ta este todo e, assim, a nós mes­mos?

“O nos­so ‘tem­po nor­mal‘ aca­bou. Tal­vez a pan­de­mia tenha nos obri­ga­do ao nos­so ‘minu­to de silên­cio’, um tem­po em que para­mos em uma intros­pec­ção for­ça­da para viver­mos o luto de uma ino­cên­cia per­di­da de que éra­mos livres para con­su­mir como e o que bem enten­dês­se­mos, e de per­ce­ber que alguns dos nos­sos hábi­tos de con­su­mo pos­sam tal­vez estar nos matan­do, indi­vi­du­al e cole­ti­va­men­te.”

O nos­so “tem­po nor­mal” aca­bou. Tal­vez a pan­de­mia tenha nos obri­ga­do ao nos­so “minu­to de silên­cio”, um tem­po em que para­mos em uma intros­pec­ção for­ça­da para viver­mos o luto de uma ino­cên­cia per­di­da de que éra­mos livres para con­su­mir como e o que bem enten­dês­se­mos, e de per­ce­ber que alguns dos nos­sos hábi­tos de con­su­mo pos­sam tal­vez estar nos matan­do, indi­vi­du­al e cole­ti­va­men­te. Assim, hoje nos encon­tra­mos em uma encru­zi­lha­da. Em arti­go recen­te, o pen­sa­dor Edgar Morin afir­mou que hoje “não sabe­mos se deve­mos espe­rar o pior, o melhor, ou ambos mis­tu­ra­dos: cami­nha­mos na dire­ção a novas incer­te­zas.”

Inter­de­pen­den­tes que somos, a cola­bo­ra­ção está na nos­sa “natu­re­za” e pre­va­le­ceu duran­te os pri­mei­ros 95% da exis­tên­cia de nos­sa espé­cie. E, ago­ra, aca­ba­mos de pas­sar pelo nos­so pri­mei­ro gran­de tes­te de cola­bo­ra­ção glo­bal, quan­do, com o nos­so esfor­ço cole­ti­vo, adi­a­mos o pico da cur­va da pan­de­mia fican­do em qua­ren­te­na. Tal­vez o “mar­co” do iní­cio do novo milê­nio seja esta pode­ro­sa expe­ri­ên­cia cole­ti­va que nos for­ça­rá a ace­le­rar ain­da mais a ado­ção de valo­res emer­gen­tes como o con­su­mo cons­ci­en­te, o cui­da­do com a saú­de (a pró­pria, do outro e do pla­ne­ta) e a valo­ri­za­ção das comu­ni­da­des.

Uma coi­sa é cer­ta: nes­te novo cená­rio de iné­di­ta incer­te­za, depen­de­re­mos ain­da mais da soli­da­ri­e­da­de e da aju­da mútua em nos­sas comu­ni­da­des. Ao mes­mo tem­po, no ambi­en­te de extre­ma trans­pa­rên­cia em tem­po real, pos­si­bi­li­ta­da pelas redes digi­tais, ten­de­mos cada vez menos a seguir líde­res caris­má­ti­cos e ser­mos cada vez mais pro­ta­go­nis­tas de nos­sas pró­pri­as esco­lhas e deci­sões de con­su­mo. Hoje, a bus­ca de solu­ções cocri­a­das cole­ti­va­men­te entre empre­sas e con­su­mi­do­res é cada vez mais comum para solu­ci­o­nar pro­ble­mas ou suprir as neces­si­da­des dos con­su­mi­do­res, da soci­e­da­de e do pla­ne­ta. Cada um de nós tem a opção de fazer a sua par­te e cola­bo­rar em prol do todo, seja como con­su­mi­dor, seja como mar­ca. Nes­ta encru­zi­lha­da, a esco­lha é sua! Mas é bom come­çar a agir ago­ra por­que o tem­po da pror­ro­ga­ção já come­çou. E não have­rá dis­pu­ta de pênal­tis.