Bru­no Ron­da­ni, CEO da 100 Open Star­tups

A UNIÃO COMO ESTRA­TÉ­GIA

A 100 OPEN STAR­TUPS IDEN­TI­FI­CA AS DORES DAS EMPRE­SAS E INDI­CA STAR­TUPS QUE PODEM AJU­DAR A SANÁ-LAS

POR MELIS­SA LULIO

É fato que, nos últi­mos anos, sur­gi­ram inú­me­ros novos negó­ci­os que bus­cam, cada um à sua manei­ra, eli­mi­nar dores do dia a dia – seja de uma empre­sa, seja de um con­su­mi­dor. Alguns deles deram cer­to; outros não foram mui­to lon­ge. Sen­tin­do a neces­si­da­de de par­ti­ci­par des­se pro­ces­so, gran­des empre­sas deci­di­ram ino­var: ou adqui­ri­ram star­tups, ou desen­vol­ve­ram novos negó­ci­os den­tro de suas pró­pri­as estru­tu­ras, ou, ain­da, con­tra­ta­ram essas jovens empre­sas.

   Esse pro­ces­so des­per­tou a neces­si­da­de de cri­ar cone­xões: as empre­sas pre­ci­sa­vam das star­tups para sus­ten­tar novas idei­as, enquan­to as star­tups pre­ci­sa­vam de cli­en­tes para rea­li­zar suas idei­as. Assim sur­ge a 100 Open Star­tups, mode­lo de negó­cio que pro­por­ci­o­na um “mat­ch” entre empre­sas e star­tups, com­bi­nan­do neces­si­da­des e solu­ções.

   “Com nos­so méto­do, envol­ve­mos exe­cu­ti­vos para que eles mapei­em o que exis­te na área pró­pria de inte­res­se”, diz Bru­no Ron­da­ni, CEO. Na base da empre­sa, há 9 mil star­tups cadas­tra­das – o que, na visão do empre­en­de­dor, é sufi­ci­en­te para com­pre­en­der as idei­as do mer­ca­do.

A empre­sa que bus­ca uma star­tup para solu­ci­o­nar uma dor pre­ci­sa saber o que dese­ja ou o que pre­ci­sa

   Para entrar no pro­ces­so, pri­mei­ra­men­te, o exe­cu­ti­vo da empre­sa inte­res­sa­da em encon­trar uma star­tup par­cei­ra pre­ci­sa fazer o down­lo­ad do apli­ca­ti­vo da 100 Open Star­tups, conhe­cer alguns mode­los de negó­cio e fazer ava­li­a­ções. “A par­tir dis­so, a empre­sa lan­ça desa­fi­os e encon­tra star­tups para solu­ci­o­nar o pro­ble­ma dela”, afir­ma. Depois, é fei­ta uma bus­ca ati­va, com foco em rea­li­zar reu­niões pre­sen­ci­ais – seja nas empre­sas, seja nos cha­ma­dos Spe­ed Datings, even­tos desen­vol­vi­dos jus­ta­men­te para que empre­sas e star­tups se apre­sen­tem umas às outras.

   Porém, exis­te algo cru­ci­al nes­se pro­ces­so: a empre­sa que bus­ca uma par­cei­ra para solu­ci­o­nar uma dor pre­ci­sa saber o que dese­ja ou o que pre­ci­sa. Com isso, Ron­da­ni reve­la que é fei­to um mape­a­men­to das star­tups que podem cor­res­pon­der a essa neces­si­da­de. “Exis­tem dife­ren­tes cate­go­ri­as nas quais as star­tups se enqua­dram”, expli­ca.

   Ele apon­ta que, nes­se pro­ces­so de ino­va­ção aber­ta, é essen­ci­al que as star­tups tam­bém este­jam dis­pos­tas a se adap­tar à neces­si­da­de da empre­sa par­cei­ra – e é dis­so que sur­ge o nome “open star­tup”. “É um pro­ces­so de cocri­a­ção”, defi­ne. “São fei­tos ajus­tes mútu­os, ambos têm de se conhe­cer, não é algo auto­má­ti­co”. Por isso, é essen­ci­al tam­bém o enga­ja­men­to da empre­sa.

ESTRA­TÉ­GI­AS DE CONE­XÃO

SÃO CON­SI­DE­RA­DAS QUA­TRO ESTRA­TÉ­GI­AS DE PAR­CE­RIA ENTRE EMPRE­SAS E STAR­TUPS