AFI­NAL, QUEM É O PÓS-CON­SU­MI­DOR?

   Quem fizer uma bus­ca em sites como Goo­gle e Yahoo cer­ta­men­te fica­rá sem res­pos­ta. E isso não sig­ni­fi­ca que esses bus­ca­do­res sejam falhos. Mui­to pelo con­trá­rio. Sig­ni­fi­ca ape­nas que esta­mos dian­te de um novo con­cei­to, que come­ça ago­ra a ser dis­se­mi­na­do. O pós-con­su­mi­dor, que você conhe­ce­rá melhor nas pró­xi­mas pági­nas, não repre­sen­ta uma gera­ção, mas sim uma série de com­por­ta­men­tos que nas­ce­ram com as gera­ções mais novas e pas­sa­ram a se repli­car em todas as outras. Ou seja, o pós-con­su­mi­dor, na ver­da­de, somos todos nós.

   Para enten­der melhor os jovens que vêm trans­for­man­do a for­ma como pen­sa­mos e con­su­mi­mos, a Mind­Mi­ners fez uma pes­qui­sa com 1.200 pes­so­as até 32 anos. Um dos prin­ci­pais insights des­se levan­ta­men­to é que esta­mos dian­te de jovens con­tra­di­tó­ri­os, que, ao mes­mo tem­po em que não des­gru­dam dos seus smartpho­nes e defen­dem a eco­no­mia com­par­ti­lha­da, fazem ques­tão de ter um car­ro na gara­gem, uma casa e um pla­no de saú­de.

   Mui­tos des­ses jovens mar­ca­ram pre­sen­ça no Whow! Fes­ti­val de Ino­va­ção, que reu­niu cer­ca de 5.000 pes­so­as em São Pau­lo e trou­xe gran­des nomes, como Greg Hicks. Conhe­ci­do como o guru da feli­ci­da­de, o ame­ri­ca­no trou­xe refle­xões impor­tan­tes, como a de que a nos­sa feli­ci­da­de depen­de – e mui­to – da inten­ção com que faze­mos as coi­sas. O espe­ci­a­lis­ta tra­çou ain­da per­fis que, bem dis­tri­buí­dos, com­põem uma equi­pe de suces­so.

   Você tam­bém con­fe­re, nas pró­xi­mas pági­nas, a trans­for­ma­ção no setor de segu­ros, o que pen­sam os can­di­da­tos à Pre­si­dên­cia da Repú­bli­ca sobre os direi­tos do con­su­mi­dor e o que muda para as empre­sas com a san­ção da Lei Geral de Pro­te­ção de Dados. Nos vemos no CONA­REC!

GABRI­EL­LA SAN­DO­VAL
Edi­to­ra-che­fe

O pós-con­su­mi­dor, que você conhe­ce­rá melhor nas pró­xi­mas pági­nas, não repre­sen­ta uma gera­ção, mas sim uma série de com­por­ta­men­tos que nas­ce­ram com as gera­ções mais novas e pas­sa­ram a se repli­car em todas as outras”