AMA­NHÃ É TAR­DE

Tem um poe­ma do Mario Quin­ta­na que eu ado­ro. Ele diz o seguin­te:

 

A vida é o dever que nós trou­xe­mos para fazer em casa.

Quan­do se vê, já são seis horas!

Quan­do se vê, já é sex­ta-fei­ra!

Quan­do se vê, já é Natal…

Quan­do se vê, já ter­mi­nou o ano…

Quan­do se vê per­de­mos o amor da nos­sa vida.

Quan­do se vê pas­sa­ram 50 anos!…”

 

E o pior de tudo é que, mui­tas vezes, pre­ci­sa­mos per­der alguém que­ri­do ou ser para­do por algu­ma for­ça mai­or para nos dar­mos con­ta dis­so. No ano pas­sa­do, a mar­ca de licor espa­nho­la Rua­vi­e­ja deu o que falar ao cal­cu­lar quan­to tem­po as pes­so­as ain­da têm ao lado de quem amam. O vídeo mos­tra, de modo como­ven­te, como a oni­pre­sen­ça das telas e a cor­re­ria do dia a dia fazem com que tenha­mos uma dis­tri­bui­ção con­tra­di­tó­ria do nos­so tem­po. Dize­mos que ama­mos os nos­sos entes que­ri­dos, mas será que o tem­po que dedi­ca­mos a eles pro­va isso?

Con­ver­san­do com a minha filha de sete anos, me dis­traí ao celu­lar e ouvi dela uma fra­se um tan­to cons­tran­ge­do­ra: ‘mãe, esse momen­to é de nós duas e não de nós três’ ”

Segun­do a peça publi­ci­tá­ria, que usa dados do Ins­ti­tu­to Naci­o­nal de Esta­tís­ti­cas espa­nhol, o uso do celu­lar tri­pli­cou nos últi­mos seis anos. O mais impres­si­o­nan­te é que, nos pró­xi­mos 40 anos, pas­sa­re­mos, segun­do os cál­cu­los, 520 dias assis­tin­do a séri­es, seis anos assis­tin­do à TV, oito anos na inter­net. Já o tem­po que temos ao lado de pes­so­as que­ri­das é bem mais escas­so. Em alguns casos dias, sema­nas, meses ou pou­cos anos.

Dian­te de uma soci­e­da­de que enxer­ga o mun­do atra­vés de telas e que quan­to mais se conec­ta às redes mais se des­co­nec­ta das pes­so­as, vale a pena obser­var quan­ta coi­sa esta­mos per­den­do. Quan­do as pes­so­as per­gun­tam como você está e a res­pos­ta é sem­pre “na cor­re­ria”, algo está erra­do. É pre­ci­so parar e obser­var quan­tos abra­ços dei­xa­mos de dar, quan­tas pai­sa­gens dei­xa­mos de admi­rar, quan­tas pala­vras dei­xa­mos de dizer… Por­que o tem­po pas­sa rápi­do demais e, sim, ama­nhã pode
ser tar­de.

Boa lei­tu­ra!
Gabri­el­la San­do­val
Edi­to­ra-che­fe