STU­ART HARDY

Dire­tor de Edu­ca­ção Exe­cu­ti­va da Ber­lin Scho­ol of Cre­a­ti­ve Lea­dership

COME­CE DE NOVO,

DESIGN THIN­KING

COME­CE DE NOVO,

DESIGN THIN­KING

COME­CE DE NOVO,

DESIGN THIN­KING

STU­ART HARDY
Dire­tor de Edu­ca­ção Exe­cu­ti­va
da Ber­lin Scho­ol of
Cre­a­ti­ve Lea­dership

STU­ART HARDY
Dire­tor de Edu­ca­ção Exe­cu­ti­va
da Ber­lin Scho­ol of
Cre­a­ti­ve Lea­dership

 

O design thin­king pare­ce estar geran­do um sis­te­ma de cren­ças que vão além de sua capa­ci­da­de mecâ­ni­ca”

   Como diria Lee Vin­sel, pro­fes­sor de Ciên­cia e Tec­no­lo­gia do Ins­ti­tu­to Poli­téc­ni­co e Uni­ver­si­da­de Esta­du­al da Vir­gí­nia, “design thin­king é mais ou menos como sífi­lis, é con­ta­gi­o­so e pre­ju­di­ca seu cére­bro”. Então, o design thin­king é uma pana­ceia mági­ca, uma reli­gião, uma sim­ples fer­ra­men­ta ou algo mais?

   A Sin­gu­la­rity Uni­ver­sity pode­ria argu­men­tar que se tra­ta de “uma arma secre­ta para cons­truir um bem mai­or”, o que soa como ape­nas uma fer­ra­men­ta – em vez de algo com pro­pó­si­to e uma cren­ça de sis­te­mas. Já a Uni­ver­si­da­de Stand­ford vai lhe cobrar mais de US$ 12 mil sua­dos por um cur­so de três dias sobre o tema que desa­fia você a se tor­nar uma potên­cia de ino­va­ção.

   Então, o que é design thin­king exa­ta­men­te? A defi­ni­ção do dici­o­ná­rio soa desin­te­res­san­te: “uma estra­té­gia de solu­ção de pro­ble­mas em que as infor­ma­ções cole­ta­das são expos­tas visu­al­men­te para cri­ar novas for­mas e méto­dos para solu­ci­o­nar defi­ci­ên­ci­as, cri­ar opor­tu­ni­da­des ou redu­zir as fra­que­zas”. Espe­re um minu­to: Não há desig­ners, enge­nhei­ros e outros pro­fis­si­o­nais fazen­do isso há anos? As tec­no­lo­gi­as para reso­lu­ção de pro­ble­mas por meio de expo­si­ção visu­al exis­tem des­de que o qua­dro bran­co foi inven­ta­do.

Ago­ra, nós temos “modos”, não “eta­pas”, em um pro­ces­so. Mas há algo de novo nis­so? Quan­to mais você olha, menos se reco­nhe­ce entre a fuma­ça e os espe­lhos de “cer­ti­fi­ca­dos prá­ti­cos”.

ETA­PAS DO DESIGN THIN­KING
Modo empa­tia – Isso não é enten­der o usuá­rio final?
Modo Defi­ni­ção – Defi­nin­do o pro­ble­ma?
Modo Ide­a­li­zar – Ser cri­a­ti­vo?
Modo Pro­tó­ti­po – Simu­lar ou mode­lar?
E modo de tes­te – Eta­pa de pro­vas?

   Se o design thin­king é uma sim­ples mania, uma mera fer­ra­men­ta moder­na e reem­ba­la­da de mui­tas manei­ras ao lon­go dos anos, não have­ria razão para se pre­o­cu­par além da nor­mal indig­na­ção de ser algo super­va­lo­ri­za­do.

   No entan­to, o design thin­king pare­ce estar geran­do um sis­te­ma de cren­ças que vão além de sua capa­ci­da­de mecâ­ni­ca. O con­cei­to está qua­se se trans­for­man­do em uma filo­so­fia ou pers­pec­ti­va de vida. Os edu­ca­do­res estão falan­do ago­ra em esta­be­le­cer o design thin­king para novos cur­rí­cu­los. Será que um pro­ces­so line­ar sim­ples pode ser tão abran­gen­te e mol­dar adul­tos bem pre­pa­ra­dos do futu­ro? Mui­tos desig­ners rejei­tam a sim­pli­ci­da­de do design thin­king. Recen­te­men­te, um arqui­te­to reno­ma­do cha­mou o ter­mo de “bes­tei­ra total” e, cer­ta­men­te, para nós, da Ber­lin Scho­ol of Cre­a­ti­ve Lea­dership, a noção de uma abor­da­gem line­ar ori­en­ta­da pelo design para ori­en­tar o seu negó­cio é total­men­te estra­nha. Uma coi­sa é cer­ta: as notas do Post-It, por mais bem orga­ni­za­das que sejam, não vão resol­ver os desa­fi­os da sua empre­sa na 4ª Revo­lu­ção Indus­tri­al

O design thin­king pare­ce estar geran­do um sis­te­ma de cren­ças que vão além de sua capa­ci­da­de mecâ­ni­ca”