DE EXE­CU­TI­VA

a inves­ti­do­ra

Livia Bran­do, líder do hub de ino­va­ção aber­ta Way­ra Bra­sil, apon­ta que o cená­rio phy­gi­tal e o inves­ti­men­to cor­po­ra­ti­vo em star­tups serão os pró­xi­mos pas­sos das com­pa­nhi­as
Por Éric Visin­tai­ner
Con­su­mi­dor Moder­no – A ASSO­CI­A­ÇÃO BRA­SI­LEI­RA DE STAR­TUPS APON­TA QUE APE­NAS 19,31% DES­TAS EMPRE­SAS ESTÃO NO MODE­LO B2C. POR QUE AIN­DA VEMOS POU­CAS DELAS ATU­AN­DO COM OS CON­SU­MI­DO­RES?

LIVIA BRAN­DO – A gran­de mai­o­ria das cor­po­ra­ções tem faci­li­ta­do as cone­xões com as star­tups para melho­ria de pro­ces­sos, expe­ri­ên­ci­as e trans­for­ma­ção digi­tal. É onde se con­cen­tra a ren­da, ten­do mode­los SaaS, por­que ali vão ter uma recei­ta recor­ren­te. Por outro lado, as solu­ções B2C têm cres­ci­do mui­to, como Rap­pi e Nubank, sen­do cases inter­na­ci­o­nais. Mas pode­mos ver que não é fácil para o empre­en­de­dor que pre­ci­sa de um cres­ci­men­to de for­ma mas­si­va e altas roda­das de inves­ti­men­to. É um movi­men­to que acon­te­ce de for­ma natu­ral e cada vez mais tere­mos mais star­tups em B2C.

PUBLI­CI­DA­DE
PUBLI­CI­DA­DE
CM – COMO VOCÊ VÊ O ATU­AL CENÁ­RIO DO MUN­DO PHY­GI­TAL E A RES­SIG­NI­FI­CA­ÇÃO DO CON­SU­MO?

LB – Ele [con­cei­to do phy­gi­tal] está em melho­rar a expe­ri­ên­cia do con­su­mi­dor final. E exis­tem vári­os exem­plos sur­gin­do como o Live Shop­ping, que está che­gan­do mui­to for­te aqui. Na Way­ra, por ser um hub de ino­va­ção, pen­sa­mos em como apro­vei­tar isso a favor do con­su­mi­dor, por exem­plo, na tro­ca de chip de celu­lar sem sair de casa. Esta­mos ten­tan­do uti­li­zar o phy­gi­tal para apro­xi­mar.

CM – QUAL DEVE SER O PRÓ­XI­MO PAS­SO DA INO­VA­ÇÃO NAS GRAN­DES EMPRE­SAS?

LB – Há mui­to espa­ço para ocu­par na jor­na­da de cola­bo­ra­ção na ino­va­ção aber­ta e evo­luin­do para for­mas mais com­ple­xas, como Cor­po­ra­te Ven­tu­re Capi­tal (CVC). Atu­al­men­te, já exis­tem em tor­no de 60 empre­sas atu­an­do com CVC no Bra­sil, e este movi­men­to vem se inten­si­fi­can­do. Hoje, nin­guém faz nada sozi­nho. Se a empre­sa quer lan­çar um novo pro­du­to, ela tem uma solu­ção mui­to melhor e mais agi­li­da­de para lan­çar no mer­ca­do ao cola­bo­rar.

Quer assis­tir a esta entre­vis­ta na ínte­gra? Cli­que no botão abai­xo e veja tudo no canal da Con­su­mi­dor Moder­no no You­Tu­be.
PUBLI­CI­DA­DE
PUBLI­CI­DA­DE