TRANS­FOR­MA­ÇÃO DIGI­TAL
Dife­ren­ci­ais na nuvem
Estar pre­pa­ra­da des­de antes da pan­de­mia fez com que a Kai­nos Solu­ções con­se­guis­se rea­li­zar uma migra­ção efi­ci­en­te, garan­tin­do a manu­ten­ção dos SLAs
Por Melis­sa Lulio

INTAN­GÍ­VELTEC­NO­LÓ­GI­CO, o con­cei­to de nuvem (ou cloud) come­çou a fazer par­te do voca­bu­lá­rio das orga­ni­za­ções há alguns anos. O con­su­mi­dor tam­bém já o com­pre­en­de, vis­to que gran­des empre­sas, como Goo­gle, Apple e Micro­soft, foram além do ambi­en­te de negó­ci­os e leva­ram esse for­ma­to de arma­ze­na­men­to para a rea­li­da­de do cida­dão comum. Ape­sar des­sa fami­li­a­ri­da­de, são pou­cas as com­pa­nhi­as que não depen­dem mais do arma­ze­na­men­to e de ati­vos físi­cos, que real­men­te inves­ti­ram para a migra­ção para a nuvem ou até mes­mo que, de fato, con­fi­am na segu­ran­ça des­se méto­do. E a Kai­nos Solu­ções é uma delas.

Era 2017 quan­do, na pla­ta­for­ma Con­su­mi­dor Moder­no, con­tá­va­mos ao mer­ca­do que essa empre­sa de rela­ci­o­na­men­to com cli­en­tes esta­va migran­do todo o sis­te­ma de aten­di­men­to para a nuvem. Essa ino­va­ção se con­cre­ti­zou. Ago­ra, em 2020, quan­do pre­ci­sou trans­fe­rir toda a equi­pe de aten­di­men­to para o mode­lo de home offi­ce, a Kai­nos Solu­ções pode agir com efi­ci­ên­cia e segu­ran­ça. “Bus­ca­mos um mode­lo em que o aten­den­te não pre­ci­sas­se sair de casa se fos­se neces­sá­rio”, con­ta Wil­li­am Sou­sa, pre­si­den­te da Kai­nos Solu­ções. “Que­ría­mos que a tec­no­lo­gia per­mi­tis­se que ele tra­ba­lhas­se remo­ta­men­te e tive­mos suces­so quan­do isso foi neces­sá­rio.”

NOS­SA PLA­TA­FOR­MA DE NUVEM É TOTAL­MEN­TE SEGU­RA, É REFE­RÊN­CIA NA GART­NER, RECO­NHE­CI­DA COMO MELHOR TEC­NO­LO­GIA DE CLOUD, E ISSO TRANS­MI­TE SEGU­RAN­ÇA AOS NOS­SOS CLI­EN­TES.”
Wil­li­am Sou­sa, pre­si­den­te da Kai­nos Solu­ções
SEGU­RAN­ÇA

Entre as empre­sas do setor, um dos gran­des desa­fi­os enfren­ta­dos no pro­ces­so de ado­ção do mode­lo de home offi­ce foi a resis­tên­cia das empre­sas-cli­en­tes. Ques­ti­o­na­do, Sou­sa con­ta que, para a Kai­nos Solu­ções, esse pro­ces­so não foi tão desa­fi­a­dor, pois hou­ve três garan­ti­as: a segu­ran­ça da infor­ma­ção, a dos cola­bo­ra­do­res (e, por­tan­to, da ope­ra­ção) e a efi­ci­ên­cia dos ser­vi­ços. “Nos­sa pla­ta­for­ma de nuvem é total­men­te segu­ra, é refe­rên­cia na Gart­ner, reco­nhe­ci­da como melhor tec­no­lo­gia de cloud, e isso trans­mi­te segu­ran­ça aos nos­sos cli­en­tes”, diz. 

Além dis­so, a empre­sa defen­de que, caso os cola­bo­ra­do­res tives­sem de ir para o site, cor­re­ri­am o ris­co de se con­ta­mi­nar e de pas­sar a COVID-19 para os outros cole­gas, o que pre­ju­di­ca­ria a ope­ra­ção. “Por fim, pre­ci­sá­va­mos garan­tir a efi­ci­ên­cia do ser­vi­ço”, refor­ça. “Infor­ma­mos que tería­mos um perío­do de tran­si­ção de dez dias, duran­te os quais pode­ria haver alte­ra­ções nos SLAs, mas, depois, tudo vol­ta­ria ao nor­mal. E foi o que acon­te­ceu: hoje, 80% dos cli­en­tes dizem que é uma deci­são da Kai­nos Solu­ções vol­tar ou não.”

VISÕES POSI­TI­VAS

Para o exe­cu­ti­vo, tais garan­ti­as fazem com que as empre­sas-cli­en­tes se sin­tam segu­ras quan­to ao mode­lo de tra­ba­lho remo­to. “Fize­mos um encon­tro com 30 cola­bo­ra­do­res e, entre eles, havia só um que que­ria vol­tar ao mode­lo tra­di­ci­o­nal”, con­ta. “O cola­bo­ra­dor enxer­ga qua­li­da­de de vida no home offi­ce, mas não quer per­der a iden­ti­da­de da empre­sa, por isso, nos­sa área de cul­tu­ra está fazen­do um gran­de tra­ba­lho foca­do no con­ta­to, e a nos­sa intra­net se tor­nou o core de rela­ci­o­na­men­to.” 

Do pon­to de vis­ta do con­su­mi­dor final, ele reve­la que o impac­to foi zero. “Não tive­mos quei­xas dos con­tra­tan­tes sobre pro­ble­mas no aten­di­men­to aos con­su­mi­do­res”, reve­la. “Fize­mos pes­qui­sas com dez empre­sas dife­ren­tes e 97,2% dos entre­vis­ta­dos dis­se­ram que não hou­ve mudan­ça no aten­di­men­to.” A inten­ção da Kai­nos Solu­ções é que, ao menos, a mai­o­ria dos cola­bo­ra­do­res per­ma­ne­ça em tra­ba­lho remo­to até pelo menos o fim des­te ano.