foto-marilia-lobo
ARTI­GO

É hora de assu­mir a anor­ma­li­da­de

Marí­lia Lobo
Cura­do­ra de Expe­ri­ên­ci­as de Apren­di­za­gem
OUÇA AQUI O ÁUDIO DES­TE ARTI­GO:

Ima­gi­no que a pala­vra “nor­mal” nun­ca tenha sido tão uti­li­za­da como duran­te esta pan­de­mia. Na bus­ca por com­pre­en­são e na ten­ta­ti­va de reto­mar, mes­mo que de for­ma limi­ta­da, a sen­sa­ção de con­tro­le sobre os acon­te­ci­men­tos, vimos um novo tipo de nor­mal ser anun­ci­a­do: o “novo nor­mal”. Mas, pas­sa­do o fre­ne­si ini­ci­al em rela­ção a uma situ­a­ção que está lon­ge de ter­mi­nar (se é que o con­cei­to de “fim” tam­bém não pre­ci­sa­rá ser res­sig­ni­fi­ca­do), já sabe­mos que aque­le novo não exis­te – e está lon­ge de ser nor­mal.

Então, para­fra­se­an­do Car­los Drum­mond de Andra­de, cabe a per­gun­ta: E ago­ra, José?

O poe­ma “José”, publi­ca­do ori­gi­nal­men­te em 1942, ilus­tra o sen­ti­men­to de soli­dão e aban­do­no do indi­ví­duo na cida­de gran­de, a sua fal­ta de espe­ran­ça e a sen­sa­ção de que está per­di­do na vida, sem saber que cami­nho tomar. O con­tex­to da épo­ca, em ple­na Segun­da Guer­ra Mun­di­al e com o Bra­sil viven­do o Esta­do Novo de Getú­lio Var­gas, era de medo, repres­são polí­ti­ca, incer­te­za peran­te o futu­ro.

Lem­brar do poe­ma “José” nos aju­da a refle­tir sobre a pri­mei­ra fase da pan­de­mia do novo coro­na­ví­rus. Está­va­mos todos com­ple­ta­men­te per­di­dos – cor­po­ra­ções, mar­cas, líde­res, con­su­mi­do­res –, mas ain­da sem a humil­da­de neces­sá­ria para reco­nhe­cer tal con­di­ção. O ter­mo “novo nor­mal” sur­giu como um ata­lho lin­guís­ti­co para a sim­pli­fi­ca­ção de algo colos­sal­men­te com­ple­xo.

Mas, o tem­po é hábil em tra­tar sober­ba. Vári­os paí­ses já vivem a segun­da onda e que­ro crer que ama­du­re­ce­mos nos­sa noção sobre com­ple­xi­da­de. Com mais resi­li­ên­cia e resig­na­ção, come­ça­mos a adap­ta­ção nes­se mun­do anor­mal.
Já que nor­ma­li­da­de é “um esta­do-padrão, nor­mal, que é con­si­de­ra­do cor­re­to, sob deter­mi­na­do pon­to de vis­ta, e gera uma nor­ma acei­ta geral­men­te pela mai­o­ria”, o pri­mei­ro desa­fio para mar­cas e con­su­mi­do­res, no adven­to do anor­mal e anti­nor­mal, é o de ques­ti­o­nar e rever as nor­mas, os pon­tos de vis­ta.

No anti­nor­mal, esca­la, agi­li­da­de e digi­ta­li­za­ção pre­ci­sa­rão vir acom­pa­nha­das de um conhe­ci­men­to mais pro­fun­do e genuí­no de expec­ta­ti­vas. É pre­ci­so evi­tar gene­ra­li­za­ções para repen­sar a expe­ri­ên­cia do con­su­mi­dor de acor­do com a expec­ta­ti­va de gru­pos e comu­ni­da­des que, pos­si­vel­men­te, terão dife­ren­tes pon­tos de vis­ta, neces­si­da­des e medos.

“No anti­nor­mal, esca­la, agi­li­da­de e digi­ta­li­za­ção pre­ci­sa­rão vir acom­pa­nha­das de um conhe­ci­men­to mais pro­fun­do e genuí­no de expec­ta­ti­vas. É pre­ci­so evi­tar gene­ra­li­za­ções para repen­sar a expe­ri­ên­cia do con­su­mi­dor de acor­do com a expec­ta­ti­va de gru­pos e comu­ni­da­des que, pos­si­vel­men­te, terão dife­ren­tes pon­tos de vis­ta, neces­si­da­des e medos.”

A ten­são do indi­ví­duo ver­sus cole­ti­vo nun­ca foi tão pal­pá­vel. É uma ten­são entre con­tro­le e ren­di­ção. Para alguns con­su­mi­do­res, o medo foi demons­tra­do por meio do arma­ze­na­men­to. Para outros, o medo impul­si­o­na o pro­te­ci­o­nis­mo, o iso­la­men­to e o com­por­ta­men­to de com­pra aves­so ao ris­co, sus­ten­tan­do o local ver­sus o glo­bal. Há tam­bém aque­les que igno­ram a pan­de­mia e usam o des­ca­so como dis­far­ce peran­te o medo.

Assim como para José, no poe­ma de Drum­mond, há mais per­gun­tas do que res­pos­tas. Porém, assu­mir a incer­te­za e a anor­ma­li­da­de abre o espa­ço neces­sá­rio para ques­ti­o­na­men­tos difí­ceis e vitais a par­tir daqui.
O con­su­mo na anor­ma­li­da­de não cabe na anti­ga nor­ma. Isso é cer­to.