SUSANN SCH­RO­NEN

CEO da Ber­lin Scho­ol of Cre­a­ti­ve Lea­dership

ENSI­NA­MEN­TOS ZEN-BUDIS­TAS PARA UMA LIDE­RAN­ÇA MENOS REA­TI­VA

ENSI­NA­MEN­TOS ZEN-BUDIS­TAS PARA UMA LIDE­RAN­ÇA MENOS REA­TI­VA

SUSANN SCH­RO­NEN
CEO da Ber­lin Scho­ol of Cre­a­ti­ve Lea­dership

SUSANN SCH­RO­NEN
CEO da Ber­lin Scho­ol of Cre­a­ti­ve Lea­dership

Lide­ran­ça não é ape­nas sobre dizer a alguém para fazer algo – é mais sobre fazê-lo você mes­mo e dei­xar que as pes­so­as vejam o que você está fazen­do, para então segui-lo”

  Como par­te do nos­so pro­gra­ma de MBA exe­cu­ti­vo, todos os anos nos­sos par­ti­ci­pan­tes via­jam para a Ásia, em uma resi­dên­cia inten­sa de duas sema­nas entre Xan­gai e Tóquio. Nes­se perío­do de imer­são, são focos de apren­di­za­do os negó­ci­os ino­va­do­res da região e as prá­ti­cas de geren­ci­a­men­to e as dinâ­mi­cas de mer­ca­do locais. Em Tóquio, uma das ati­vi­da­des mais espe­ci­ais é um semi­ná­rio segui­do de uma ses­são de medi­ta­ção num tem­plo zen-budis­ta. Foi lá que o mon­ge Rev. Ichi­do Uchi­da, dire­tor do Koji­rin Zen Trai­ning Cen­ter, con­ver­sou com nos­so gru­po e trou­xe algu­mas impor­tan­tes lições para a prá­ti­ca da lide­ran­ça:

 

CONS­CI­ÊN­CIA ALER­TA

No zen-budis­mo, nós acre­di­ta­mos que a vida coti­di­a­na, de tare­fas a tra­ba­lho e tudo o que faze­mos, é par­te do nos­so trei­na­men­to. Mui­tos têm essa ima­gem de que a prá­ti­ca medi­ta­ti­va se refe­re a sen­tar em deter­mi­na­da pos­tu­ra, mas isso é ape­nas uma par­te do esti­lo de vida Zen. Toda a sua vida, todo dia, tudo, é um trei­na­men­to Zen. Este esti­lo de vida Zen, no meu enten­di­men­to, é sobre man­ter um esta­do de men­te cal­mo e con­ti­nu­a­men­te obser­var suas ações e emo­ções. Em qual­quer momen­to do dia, ape­nas pare e obser­ve o que está acon­te­cen­do com o seu cor­po e o que sen­te. Quan­to mais con­se­guir man­ter esta cons­ci­ên­cia, melhor.

 

LEDE­RAR PELO EXEM­PLO

Lide­ran­ça não é ape­nas sobre dizer a alguém para fazer algo – é mais sobre fazê-lo você mes­mo e dei­xar que as pes­so­as vejam o que você está fazen­do, para então segui-lo. Lide­rar pelo exem­plo. Mes­mo no tem­plo budis­ta, o mon­ge mais sêni­or lide­ra des­ta for­ma: ele faz e os outros acom­pa­nham.

 

ONDE A IMA­GI­NA­ÇÃO, A CRI­A­TI­VI­DA­DE E A INTUI­ÇÃO TÊM ESPA­ÇO PARA FLO­RES­CER

Se você se sen­tar numa pos­tu­ra com o dese­jo de atin­gir deter­mi­na­do insight, ele não virá para você. Se você é mui­to dire­ci­o­na­do pelos seus obje­ti­vos, eles difi­cil­men­te acon­te­ce­rão. Eu sin­to que quan­do você se desa­pe­ga dos seus dese­jos – que­ren­do se tor­nar mais cri­a­ti­vo ou ter mais ins­pi­ra­ção – é aí que a cri­a­ti­vi­da­de acon­te­ce. Você sai de um lugar de for­çar um resul­ta­do para per­mi­tir que ele acon­te­ça natu­ral­men­te. É como ter água em um copo: ao esva­ziá-lo, você cria espa­ço.

 

  Acre­di­to que esta épo­ca de fim de ano e iní­cio de um novo ciclo seja mui­to pro­pí­cia para estas refle­xões e para rever­mos a cul­tu­ra cor­po­ra­ti­va, o que fun­ci­o­nou bem este ano e o que pode ser melho­ra­do. Este ano, fala­mos mui­to sobre ana­li­sar os pas­sos dados pelas orga­ni­za­ções, os apren­di­za­dos ganhos com os erros e as rela­ções cons­truí­das com cli­en­tes e con­su­mi­do­res. Tudo envol­ve obser­va­ção cui­da­do­sa antes da ação e, em tem­pos de mudan­ças drás­ti­cas e res­pos­tas ime­di­a­tas, o tem­po reque­ri­do por uma aná­li­se mais fun­da­men­ta­da e cri­te­ri­o­sa mui­tas vezes tem per­di­do espa­ço. Quis tra­zer estes ensi­na­men­tos budis­tas como um sopro de reno­va­ção para a nova déca­da que se ini­cia e para repen­sar­mos um pou­co sobre a pers­pec­ti­va ace­le­ra­da dos nos­sos tem­pos. Afi­nal, você não pre­ci­sa se tor­nar um mon­ge para ter em men­te o impac­to de suas ações no mun­do. Mas sem­pre pode­rá lide­rar pelo exem­plo.

Lide­ran­ça não é ape­nas sobre dizer a alguém para fazer algo – é mais sobre fazê-lo você mes­mo e dei­xar que as pes­so­as vejam o que você está fazen­do, para então segui-lo”