MICHA­EL CON­RAD

Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol of Cre­a­ti­ve Lea­dership

HUBS CRI­A­TI­VOS, STAR­TUPS E

AGÊN­CI­AS DE PUBLI­CI­DA­DE:

COMO AS NOVAS FOR­MAS

CON­SU­MIR INFOR­MA­ÇÃO

MUDA­RAM O MER­CA­DO

HUBS CRI­A­TI­VOS, STAR­TUPS E AGÊN­CI­AS DE PUBLI­CI­DA­DE: COMO AS NOVAS  FOR­MAS CON­SU­MIR INFOR­MA­ÇÃO MUDA­RAM O MER­CA­DO

MICHA­EL CON­RAD
Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol
of Cre­a­ti­ve Lea­dership

MICHA­EL CON­RAD
Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol
of Cre­a­ti­ve Lea­dership

Se as agên­ci­as não atu­am mais sozi­nhas para aten­der um cli­en­te, a cola­bo­ra­ção, mui­to mais do que a con­cor­rên­cia, se tor­na a cha­ve de um novo mode­lo de negó­ci­os”

   As gran­des agên­ci­as estão con­de­na­das a per­der espa­ço para hubs cri­a­ti­vos e star­tups?

   Recen­te­men­te, con­ver­sa­mos com o cofun­da­dor e pre­si­den­te da Cris­pin Por­ter, Chuck Por­ter, cola­bo­ra­dor de lon­ga data da Ber­lin Scho­ol, para dis­cu­tir algu­mas ques­tões a res­pei­to do futu­ro das agên­ci­as e como o exces­so de infor­ma­ção está influ­en­ci­an­do a manei­ra com que o públi­co con­so­me pro­pa­gan­da.

   Divi­do aqui com vocês duas das ques­tões que con­si­de­ro as mais rele­van­tes nes­te momen­to:

 

POR QUE AS GRAN­DES AGÊN­CI­AS ESTÃO PER­DEN­DO OPOR­TU­NI­DA­DES PARA EMPRE­SAS MENO­RES DE PUBLI­CI­DA­DE OU STAR­TUPS?

   A indús­tria está fican­do cada vez mais frag­men­ta­da, e cada vez menos cli­en­tes estão con­cen­tran­do todo o seu orça­men­to em ape­nas uma agên­cia e per­mi­tin­do que ela seja a úni­ca repre­sen­tan­te da mar­ca. Eu acre­di­to que isso ain­da exis­ta, mas é menos comum do que já foi um dia. Atu­al­men­te, é mais comum que os cli­en­tes encar­re­guem dife­ren­tes pres­ta­do­res de ser­vi­ço para dife­ren­tes atri­bui­ções.

 

VOCÊ FALOU SOBRE A IMPOR­TÂN­CIA DE SER PRO­LÍ­FI­CO. COMO A AGI­LI­DA­DE E A CAPA­CI­DA­DE DE RES­POS­TA SE ENCAI­XAM NES­TE CON­TEX­TO?

   O mun­do está mudan­do mui­to rapi­da­men­te e há mui­to mais canais de mídia que as pes­so­as uti­li­zam hoje. Anti­ga­men­te, você pode­ria con­tar que uma deter­mi­na­da por­cen­ta­gem da sua audi­ên­cia assis­ti­ria a deter­mi­na­do pro­gra­ma e você sabe­ria como atin­gi-la – isso já não é mais ver­da­de. Outro pon­to impor­tan­te é que o con­teú­do fica “gas­to” mui­to rápi­do, a capa­ci­da­de de con­cen­tra­ção é cur­ta, as pes­so­as ficam ente­di­a­das… Há pes­qui­sas dizen­do que uma par­te da audi­ên­cia se sen­te irri­ta­da ao ver uma pro­pa­gan­da mais de uma vez; então mui­tas idei­as estão sen­do usa­das (sem impac­to). É por isso que eu acre­di­to que ser pro­lí­fi­co é impor­tan­te: hoje em dia, é menos rele­van­te tra­ba­lhar duro e por mui­to tem­po para encon­trar “a gran­de ideia”. É mais inte­res­san­te fazer um mon­te de coi­sas e dei­xar que a audi­ên­cia te diga o que tem impac­to.

   Refle­tin­do sobre as res­pos­tas de Por­ter, alguns para­dig­mas do tem­po em que vive­mos ficam evi­den­tes: cola­bo­ra­ção ver­sus con­cor­rên­cia; infor­ma­ção e con­su­mo; e o líder conec­tor.

   Na era do aces­so ime­di­a­to e abun­dan­te à infor­ma­ção, é ten­ta­dor bus­car­mos um cami­nho úni­co e recon­for­tan­te que tra­ga todas as res­pos­tas, mas isso me pare­ce ingê­nuo e limi­tan­te.

   Se as agên­ci­as não atu­am mais sozi­nhas para aten­der um cli­en­te, a cola­bo­ra­ção, mui­to mais do que a con­cor­rên­cia, se tor­na a cha­ve de um novo mode­lo de negó­ci­os – mui­to mais rico, diver­so e abran­gen­te. Já o líder cri­a­ti­vo deve, cada vez mais, tor­nar-se conec­tor, em detri­men­to do foco pri­mor­di­al em ges­tão inter­na. E, se o con­teú­do se pul­ve­ri­za nas inú­me­ras pla­ta­for­mas e se “gas­ta” rapi­da­men­te, tam­bém são incon­tá­veis as pos­si­bi­li­da­des de ino­var. Um exer­cí­cio desa­fi­a­dor a ser pra­ti­ca­do com humil­da­de e resi­li­ên­cia, mas que tam­bém traz infi­ni­tas opor­tu­ni­da­des de expe­ri­men­ta­ção e de diver­si­fi­car o olhar e tes­tar novas abor­da­gens. E você, o que tes­tou hoje?

Se as agên­ci­as não atu­am mais sozi­nhas para aten­der um cli­en­te, a cola­bo­ra­ção, mui­to mais do que a con­cor­rên­cia, se tor­na a cha­ve de um novo mode­lo de negó­ci­os”