REBE­CA DE MORA­ES

Sócia-fun­da­do­ra e dire­to­ra
da Sole­dad

MAR­CAS MAIS HUMA­NAS EM 2019: TRÊS TEN­DÊN­CI­AS PARA FICAR DE OLHO

REBE­CA DE MORA­ES

Sócia-fun­da­do­ra e dire­to­ra
da Sole­dad

REBE­CA DE MORA­ES

Sócia-fun­da­do­ra e dire­to­ra
da Sole­dad

As ten­dên­ci­as nos apon­tam uma bus­ca laten­te das pes­so­as por auto­co­nhe­ci­men­to, por olhar para si pró­pri­as ten­tan­do esque­cer dos padrões”

      Já que esta­mos baten­do à por­ta do iní­cio do ano (o futu­ro, você sabe, só che­ga aqui depois do Car­na­val, não é?), é hora de pen­sar nos desa­fi­os que os con­su­mi­do­res estão colo­can­do para as mar­cas nes­te ano. Duran­te nos­sas pes­qui­sas de ten­dên­ci­as para 2019, fica evi­den­te um movi­men­to: esta­mos sain­do da fase da super-raci­o­na­li­za­ção da vida – dos algo­rit­mos, dos apli­ca­ti­vos para con­tro­lar cada peque­no aspec­to da vida, dos rela­tó­ri­os de quan­tos pas­sos demos num dia, quan­to tem­po fica­mos olhan­do o Ins­ta­gram, quan­tas visu­a­li­za­ções teve cada foto. Depois de tan­tos regis­tros, que mos­tram tam­bém que pas­sa­mos os últi­mos anos afi­ci­o­na­dos pelo olhar do outro, vemos para este ano e os dois pró­xi­mos um cla­ro movi­men­to de vol­ta ao huma­nis­mo. As ten­dên­ci­as nos apon­tam uma bus­ca laten­te das pes­so­as por auto­co­nhe­ci­men­to, por olhar para si pró­pri­as ten­tan­do esque­cer dos padrões. O que isso sig­ni­fi­ca para as mar­cas? Que vamos pre­ci­sar cada vez mais ofe­re­cer pro­du­tos, comu­ni­ca­ção, ser­vi­ços e dados que deem con­ta de abra­çar esse momen­to mais huma­no, de melho­rar o uso da voz nos assis­ten­tes pes­so­ais, até enten­der os dile­mas mais ínti­mos dos con­su­mi­do­res e aju­dá-los nis­so. Não é uma tare­fa sim­ples, mas as ten­dên­ci­as estão aí para jogar luz no cami­nho e aju­dar a tri­lhar a estra­da que os con­su­mi­do­res irão per­cor­rer:

 

1. MEU MÍS­TI­CO

      Vive­mos uma vida cheia de regis­tros, super­ma­pe­a­da e ras­tre­a­da. O exces­so de infor­ma­ção da vida moder­na ali­men­ta o dese­jo de ter todas as res­pos­tas. Mas o Yahoo Res­pos­tas sabe tudo, menos uma coi­sa: quem sou eu? Dian­te des­sa, a per­gun­ta que é de uma vida, vamos nos pró­xi­mos anos mer­gu­lhar em bus­ca des­sa res­pos­ta, numa via­gem pelos mis­té­ri­os indi­vi­du­ais, que ati­ça o dese­jo de explo­rar o que é mais ínti­mo den­tro de cada um. Da astro­lo­gia ao tarot, pas­san­do por banhos de ervas e a vol­ta de anti­gas filo­so­fi­as, como a do Sagra­do Femi­ni­no, nos pró­xi­mos anos o mis­ti­cis­mo vol­ta­rá com for­ça.

 

2. PÓS-EMPO­DE­RA­MEN­TO

      É hora de sus­ten­tar com­por­ta­men­tos que emer­gem depois do avas­sa­la­dor empo­de­ra­men­to femi­ni­no. Com a cha­ma­da das mulhe­res para rela­ções mais igua­li­tá­ri­as em todos os âmbi­tos, os homens são cha­ma­dos a rever seu lugar nas tare­fas do dia a dia, na pater­ni­da­de, nas rela­ções (mos­tran­do mais emo­ções) e na esté­ti­ca (aden­trar esse cam­po sem medo). Porém, cada novo com­por­ta­men­to rom­pe um padrão, mas nada dis­so acon­te­ce sem algu­ma dor. Por isso, é hora de tirar o foco da “lacra­ção” para lidar com as difi­cul­da­des que exis­tem em cri­ar novos jei­tos de ser mulher e de ser homem. O prin­ci­pal desa­fio do PÓS-EMPO­DE­RA­MEN­TO FEMI­NI­NO é sus­ten­tar novas manei­ras de pen­sar, de agir e de con­su­mir.

 

3. NEWS­TAL­GIA

   O que emer­ge ago­ra pode ser lido como uma sua­ve mis­tu­ra entre nos­tal­gia, essa sau­da­de do que se viveu, com um sen­ti­men­to que se apro­xi­ma da melan­co­lia: uma pos­si­bi­li­da­de de viver de outro jei­to, melhor, algo que pas­sou por mim no pas­sa­do. As duas cons­tru­ções men­tais, esta­dos de espí­ri­to ali­men­ta­dos por esse gos­to amar­go sobre o pre­sen­te e a incer­te­za agu­ça­da sobre o futu­ro. É sobre a sau­da­de de um pas­sa­do conhe­ci­do, do que já foi aces­sa­do, mas dife­ren­te do hoje. O dese­jo de res­ga­te do que fez feliz, mas tam­bém a sau­da­de do tem­po da infân­cia, de lem­bran­ças que têm um rit­mo dife­ren­te, mais len­to – em con­tra­po­si­ção ao mun­do que vai cada vez mais rápi­do.

As ten­dên­ci­as nos apon­tam uma bus­ca laten­te das pes­so­as por auto­co­nhe­ci­men­to, por olhar para si pró­pri­as ten­tan­do esque­cer dos padrões”