REBE­CA DE MORA­ES

Dire­to­ra da Sole­dad

MOBI­LI­DA­DE:

O QUE ERA SOLU­ÇÃO TAM­BÉM

VIROU PRO­BLE­MA

MOBI­LI­DA­DE: O QUE ERA SOLU­ÇÃO TAM­BÉM VIROU PRO­BLE­MA

REBE­CA DE MORA­ES

Dire­to­ra da Sole­dad

REBE­CA DE MORA­ES

Dire­to­ra da Sole­dad

Com tan­tas mudan­ças nos cená­ri­os das cida­des, vamos pas­sar a ver cada vez mais apli­ca­ti­vos que ofe­re­cem não uma, mas duas ou até três pos­si­bi­li­da­des de des­lo­ca­men­to aos con­su­mi­do­res”

Em 2018, a Uber divul­gou que São Pau­lo é a cida­de que mais usa o ser­vi­ço no mun­do, entre os 65 paí­ses em que ope­ra. São cer­ca de 600 mil moto­ris­tas inter­li­ga­dos à pla­ta­for­ma no Bra­sil. Com os ser­vi­ços de com­par­ti­lha­men­to de via­gens toman­do con­ta das ruas nas prin­ci­pais cida­des lati­nas e do mun­do, as metró­po­les têm-se depa­ra­do com novos pro­ble­mas de infra­es­tru­tu­ra. Com isso, gover­nos têm sido cha­ma­dos para par­ti­ci­par das con­ver­sas, e come­ça a apa­re­cer cer­ta neces­si­da­de da cri­a­ção de leis e regu­la­men­ta­ções para con­tro­lar a fes­ta dos apli­ca­ti­vos de mobi­li­da­de.

A cida­de de Nova York foi a pri­mei­ra a dar o pri­mei­ro gran­de pas­so para limi­tar a Uber na cida­de, emi­tin­do um con­ge­la­men­to de um ano em todas as novas licen­ças de veí­cu­los. Em outra ten­ta­ti­va de redu­zir o trân­si­to na cida­de, a pre­fei­tu­ra imple­men­tou uma nova sobre­ta­xa a veí­cu­los de alu­guel que andam pelos bair­ros de Manhat­tan. Em Bar­ce­lo­na, a Uber e a Cabify resol­ve­ram sus­pen­der seus ser­vi­ços depois que a pre­fei­tu­ra da cida­de cri­ou uma lei que exi­gia que todos os veí­cu­los fos­sem reser­va­dos com pelo menos 15 minu­tos de ante­ce­dên­cia. Na Amé­ri­ca Lati­na, o Méxi­co tam­bém já cri­ou uma lei obri­gan­do que moto­ris­tas tenham licen­ça para tra­ba­lhar, de olho nas ques­tões tra­ba­lhis­tas envol­ven­do o app.

Os pro­ble­mas em tor­no de difi­cul­da­des na imple­men­ta­ção des­ses novos negó­ci­os no ecos­sis­te­ma das cida­des não são pri­vi­lé­gi­os dos car­ros. Na Euro­pa, vári­as empre­sas de com­par­ti­lha­men­to de bici­cle­ta tive­ram pro­ble­mas quan­do se depa­ra­ram com a infra­es­tru­tu­ra das gran­des cida­des.

Dos Esta­dos Uni­dos a Bar­ce­lo­na e Bra­sil, encon­tra­mos um novo dile­ma em tor­no des­sas ino­va­ções, que ouso dizer que estão entre as mais impor­tan­tes dos últi­mos tem­pos, dado seu enor­me impac­to na manei­ra como conhe­ce­mos um setor e na estru­tu­ra das cida­des. Eis o dile­ma: os apli­ca­ti­vos dedi­ca­dos a um úni­co jei­to de via­jar, aos pou­cos não dão con­ta das neces­si­da­des das pes­so­as. Cada vez mais, con­su­mi­do­res bus­cam expe­ri­ên­ci­as de via­gens que inte­grem modais, diver­si­fi­can­do suas via­gens entre trans­por­tes públi­co e pri­va­do.

Nas nos­sas pes­qui­sas pela Amé­ri­ca Lati­na isso fica bas­tan­te evi­den­te. Fala­mos com pes­so­as que já per­ce­bem que, ao diver­si­fi­car as manei­ras de se des­lo­car (usan­do, por exem­plo, metrô e bici­cle­ta, em vez de só metrô; ou ôni­bus e pati­ne­te), as via­gens podem ficar mais diver­ti­das e tam­bém mais cur­tas. Isso nos apon­ta para inú­me­ras novas opor­tu­ni­da­des: aumen­tam as pos­si­bi­li­da­des de inte­ra­ção com os con­su­mi­do­res, des­de pos­si­bi­li­tar uma nova for­ma de alu­gar bici­cle­ta ou pati­ne­te até pen­sar mídi­as que impac­tem pes­so­as que fazem esse tipo de des­lo­ca­men­to. No Bra­sil, 45% dos entre­vis­ta­dos para uma recen­te pes­qui­sa da Sole­dad afir­mam que se des­lo­cam pela cida­de usan­do trans­por­te públi­co, e 41% afir­mam usar Uber e apli­ca­ti­vos do tipo, enquan­to 9% usam bici­cle­ta no trans­por­te diá­rio.

Com tan­tas mudan­ças nos cená­ri­os das cida­des, vamos pas­sar a ver cada vez mais apli­ca­ti­vos que ofe­re­cem não uma, mas duas ou até três pos­si­bi­li­da­des de des­lo­ca­men­to aos con­su­mi­do­res. Veja a Uber nos Esta­dos Uni­dos, que ofe­re­ce, den­tro do apli­ca­ti­vo, não só um car­ro par­ti­cu­lar como tam­bém alu­gar uma pati­ne­te ou uma bici­cle­ta. O City­map­per, apli­ca­ti­vo que faz um ser­vi­ço de mape­a­men­to de opções de trans­por­tes públi­co e pri­va­do para des­lo­ca­men­tos, aca­ba de lan­çar em Lon­dres o City­map­per Pass, um car­tão inte­gra­do tan­to ao apli­ca­ti­vo quan­to aos sis­te­mas de ôni­bus, car­ro e bici­cle­ta com­par­ti­lha­dos. Os usuá­ri­os podem abas­te­cer o car­tão e usá-lo para pagar qual­quer tipo de trans­por­te.

Uma ino­va­ção por si só pode solu­ci­o­nar um pro­ble­ma – mas não demo­ra mui­to a cri­ar outros. E vêm novas ino­va­ções e ten­dên­ci­as que dão con­ta de tam­bém novas reso­lu­ções. É assim que a roda não dei­xa de girar.

Com tan­tas mudan­ças nos cená­ri­os das cida­des, vamos pas­sar a ver cada vez mais apli­ca­ti­vos que ofe­re­cem não uma, mas duas ou até três pos­si­bi­li­da­des de des­lo­ca­men­to aos con­su­mi­do­res”