NOVAS TEC­NO­LO­GI­AS PODE­RÃO FAZER UM DOWN­GRA­DE DA NOS­SA ESPÉ­CIE

Essa foi, na minha opi­nião, uma das fra­ses mais mar­can­tes do escri­tor isra­e­len­se Yuval Hara­ri em sua pas­sa­gem pelo Bra­sil. Para o autor de best-sel­lers como “Homo Deus: Uma Bre­ve His­tó­ria do Ama­nhã” e “21 Lições para o Sécu­lo 21”, ao mes­mo tem­po em que as novas tec­no­lo­gi­as irão revo­lu­ci­o­nar o mun­do, elas são um peri­go à huma­ni­da­de. Isso por­que elas per­mi­ti­rão a empre­sas e gover­nos terem dados sufi­ci­en­tes para hac­ke­ar huma­nos e até mes­mo cri­ar algo­rit­mos que enten­dam melhor de nós do que nós mes­mos. Com isso, seria fácil pre­ver sen­ti­men­tos, mani­pu­lar deci­sões e até fazer com que uma máqui­na as tome no nos­so lugar. Ou seja, os algo­rit­mos pode­rão nos con­ven­cer não só a com­prar um pro­du­to, mas tam­bém um polí­ti­co.

Hara­ri tam­bém fez ques­tão de dizer que as pes­so­as ape­nas acham que sabem sobre elas mes­mas e con­tou que quan­do tinha 21 anos des­co­briu-se gay depois de mui­tos anos de nega­ção. “O fato é que dei­xei pas­sar algo supe­rim­por­tan­te sobre mim mes­mo”, con­fes­sou. Ago­ra, ima­gi­ne se um algo­rit­mo pudes­se indi­car se uma pes­soa está no espec­tro gay ou héte­ro ape­nas pelas suas rea­ções ou pelo movi­men­to dos olhos e o quão isso pode­ria ser peri­go­so em paí­ses como o Irã, onde gays são sub­me­ti­dos à pena de mor­te!

Hac­ke­ar huma­nos pode­rá tolher de for­ma avas­sa­la­do­ra a nos­sa liber­da­de”

Para o isra­e­len­se, se não for­mos cui­da­do­sos com o uso da tec­no­lo­gia que esta­mos cri­an­do hoje, tere­mos o pior regi­me tota­li­tá­rio já vis­to. “Quan­do for pos­sí­vel saber o his­tó­ri­co médi­co e pes­so­al de todos os polí­ti­cos e jor­na­lis­tas e suas esca­pa­das sexu­ais e men­tais, por exem­plo, não será mais pre­ci­so envi­ar o exér­ci­to; ape­nas cole­tar dados”, aler­tou. Por­tan­to, hac­ke­ar huma­nos pode­rá tolher de for­ma avas­sa­la­do­ra a nos­sa liber­da­de.

Outro pon­to levan­ta­do pelo espe­ci­a­lis­ta é a per­da de empre­gos por con­ta da auto­ma­ção e a neces­si­da­de de dar apoio às pes­so­as que estão sen­do subs­ti­tuí­das para que elas não se tor­nem irre­le­van­tes. “É mui­to difí­cil pro­te­ger os tra­ba­lhos da auto­ma­ção. O que pre­ci­sa­mos é pro­te­ger as pes­so­as”, dis­se Hara­ri. E é isso o que a gen­te vem pre­sen­ci­an­do em seto­res como o de rela­ci­o­na­men­to com o cli­en­te, cuja trans­for­ma­ção você con­fe­re nas pró­xi­mas pági­nas. Nes­ta edi­ção, tra­ze­mos, ain­da, a revo­lu­ção das tec­no­lo­gi­as por voz e os prin­ci­pais insights do Web Sum­mit, que acon­te­ceu em Lis­boa.

 

Boa lei­tu­ra!

Gabri­el­la San­do­val

Edi­to­ra-che­fe