REBE­CA DE MORA­ES

Dire­to­ra da Sole­dad

O CON­TEÚ­DO

ESTÁ RES­SIG­NI­FI­CAN­DO

A TRANS­PA­RÊN­CIA

O CON­TEÚ­DO ESTÁ RES­SIG­NI­FI­CAN­DO A TRANS­PA­RÊN­CIA

REBE­CA DE MORA­ES

Dire­to­ra da Sole­dad

REBE­CA DE MORA­ES

Dire­to­ra da Sole­dad

Esta­mos ven­do nas­cer a era da ten­dên­cia que nós cha­ma­mos de trans­pa­rên­cia res­sig­ni­fi­ca­da: levar os con­su­mi­do­res para den­tro de casa”

    A pode­ro­sa Rihan­na se uniu ao Gru­po LVMH para lan­çar sua mar­ca de rou­pas, a Fenty. Sema­nas antes, come­çou o aque­ci­men­to com víde­os e posts nas redes soci­ais, atrain­do uma comu­ni­da­de de jovens e aman­tes de uma moda jovem e urba­na. Dias antes, uma maqui­a­do­ra e influ­en­ci­a­do­ra digi­tal de São Pau­lo rece­be em casa uma car­ta, com cali­gra­fia da pró­pria can­to­ra, cha­man­do a moça, assim como outros influ­en­cers, para conhe­cer a mar­ca. O lan­ça­men­to glo­bal seria no dia seguin­te, com a aber­tu­ra de uma loja em Paris. Na mes­ma sema­na, o site Highs­no­bi­ety, uma das auto­ri­da­des quan­do o assun­to é stre­et sty­le, anun­ci­ou o lan­ça­men­to de seu e‑commerce, que come­ça­ria com uma cole­ção cáp­su­la e exclu­si­va da Pra­da, uma linha casu­al e urba­na, que aten­des­se aos dese­jos da comu­ni­da­de do site.

    Os dois casos têm em comum um impor­tan­te movi­men­to: o con­teú­do vira tram­po­lim fun­da­men­tal para o bran­ding. Nos dois casos, as mar­cas se pre­o­cu­pa­ram em, antes de qual­quer coi­sa, cons­truir em tor­no de um assun­to uma comu­ni­da­de de ami­gos, de pes­so­as inte­res­sa­das naque­le con­teú­do, para depois lhes ofe­re­cer os pro­du­tos. Tal arti­cu­la­ção tem no cen­tro uma ques­tão cru­ci­al e con­tem­po­râ­nea sobre a rela­ção entre as pes­so­as e o con­teú­do: elas cada vez menos acre­di­tam em mar­cas e gover­nos – mas cada vez mais acre­di­tam em seus pares, no que sua famí­lia, ami­gos e “gen­te como a gen­te” pen­sa.

    Vive­mos tem­pos de cri­se de con­fi­an­ça no mun­do e tam­bém no Bra­sil. Nos últi­mos anos, os índi­ces de con­fi­an­ça dos con­su­mi­do­res em gover­nos e na mídia caiu pou­co a pou­co. Ao inves­ti­gar com mai­or pro­fun­di­da­de a mídia, o barô­me­tro anu­al da Edel­man, Trust Baro­me­ter, tem abor­da­do as fake news e apon­ta­do a pro­li­fe­ra­ção de notí­ci­as fal­sas ou dis­tor­ci­das como ques­tão fun­da­men­tal para jus­ti­fi­car a que­da da con­fi­an­ça em rela­ção à mídia e a outras ins­ti­tui­ções (gover­no, empre­sas e ONGs). Sinal dis­so é que 58% dos bra­si­lei­ros não sabem dife­ren­ci­ar o que é ver­da­de do que é men­ti­ra; 68% não sabem em quais polí­ti­cos con­fi­ar; e 48% não sabem em quais com­pa­nhi­as ou mar­cas con­fi­ar.

    A pro­li­fe­ra­ção de redes de fake news cri­ou uma gran­de ques­tão den­tro das empre­sas: notí­ci­as de mão úni­ca pas­sam a ser cada vez mais con­tes­ta­das, gra­ças ao medo das fake news. Con­si­de­ran­do notí­ci­as vin­das da mídia, gover­nos ou empre­sas, dian­te do ema­ra­nha­do de notí­ci­as fal­sas, fica cada vez mais difí­cil con­quis­tar a cren­ça do con­su­mi­dor. Dian­te des­sa situ­a­ção, as expe­ri­ên­ci­as pes­so­ais ganham novas dimen­sões tan­to na for­ma­ção de uma opi­nião quan­to na hora de acre­di­tar numa infor­ma­ção vin­da de fora. A lógi­ca é: se alguém viveu, alguém falou que viu, eu acre­di­to.

    Esta­mos ven­do nas­cer a era da ten­dên­cia que nós cha­ma­mos de trans­pa­rên­cia res­sig­ni­fi­ca­da: levar os con­su­mi­do­res para den­tro de casa, cri­an­do comu­ni­da­des em tor­no do nos­so assun­to, vai dei­xá-los mais segu­ros sobre con­su­mir nos­sos pro­du­tos, abra­çar nos­sas cau­sas. É quan­do o con­su­mi­dor dei­xa de ser um “brand lover” e vira um “brand fri­end”. Ele tem a mar­ca como um ami­go, que está per­to a qual­quer hora, tem um uni­ver­so de dese­jos em comum. Assim como a Rihan­na ou a Pra­da, pre­ci­sa­mos mais do que cocri­ar com nos­sos Con­su­mi­do­res; temos que cada vez mais cri­ar com eles comu­ni­da­des.

Esta­mos ven­do nas­cer a era da ten­dên­cia que nós cha­ma­mos de trans­pa­rên­cia res­sig­ni­fi­ca­da: levar os con­su­mi­do­res para den­tro de casa”