PER­SO­NA­LI­DA­DE

O PODER DA

micro­pig­men­ta­ção

Nas­ci­da no inte­ri­or de SP, a empre­en­de­do­ra Nata­lia Mar­tins desen­vol­veu uma téc­ni­ca de micro­pig­men­ta­ção que alcan­çou o mun­do

Por Caro­li­na Cozer

   “O per­fei­to atrai. O imper­fei­to conec­ta.” A fra­se de efei­to é uma das favo­ri­tas da empre­en­de­do­ra Nata­lia Mar­tins para des­cre­ver o suces­so de seu empre­en­di­men­to, a Nata­lia Beauty & Aca­demy, clí­ni­ca de micro­pig­men­ta­ção de sobran­ce­lhas e lábi­os loca­li­za­da em São Pau­lo. “O cli­en­te não vai na minha clí­ni­ca somen­te pelo ser­vi­ço. Lá, con­si­go des­per­tar os cin­co sen­ti­dos huma­nos assim que ele che­ga ao val­let, por meio de músi­ca, iden­ti­da­de olfa­ti­va pró­pria, con­ta­to com os cola­bo­ra­do­res e vári­os ele­men­tos ins­ta­gra­má­veis den­tro e fora da clí­ni­ca.”

   Nata­lia Mar­tins saiu da cida­de de São José do Rio Pre­to, em 2017, com uma filha peque­na, divor­ci­a­da e cer­ca de R$ 90 mil em dívi­das. Deter­mi­na­da, mon­tou uma sala para aten­der cli­en­tes de micro­pig­men­ta­ção. Hoje já são mais de 1.000 m². O pri­mei­ro pas­so do suces­so foi o desen­vol­vi­men­to da téc­ni­ca Flow Browns – sobran­ce­lhas com fios mais flui­dos que real­çam a bele­za natu­ral dos cli­en­tes. “Quan­do trou­xe­mos esse con­cei­to mais natu­ral, come­ça­mos a cres­cer mui­to”, diz.

   Mais de 10 mil alu­nos e alu­nas foram for­ma­dos pela Nata­lia Beauty & Aca­demy, que levam a mar­ca e a qua­li­da­de do ser­vi­ço da clí­ni­ca para todo o mun­do. “Já temos 70 fili­a­dos na Itá­lia, em Lis­boa, na Suí­ça, no Chi­le e em diver­sos Esta­dos do Bra­sil.”

Con­su­mi­dor Moder­no – Qual é o papel do digi­tal no seu negó­cio, hoje? Como esse ambi­en­te impac­tou o suces­so da Nata­lia Beauty & Aca­demy?

NATA­LIA MAR­TINS Os cur­sos onli­ne foram essen­ci­ais duran­te a pan­de­mia. O onli­ne deu a opor­tu­ni­da­de de levar os cur­sos para mais pes­so­as e mais luga­res. Eles estou­ra­ram em ven­das. As empre­sas de bele­za que não estão na Inter­net, hoje, não exis­tem. As pes­so­as per­ce­be­ram que, para con­ti­nu­ar com as mar­cas vivas, pre­ci­sa­vam apa­re­cer e con­ver­sar com as pes­so­as, desen­vol­ver uma cone­xão com o públi­co.

CM – Como ter suces­so como mulher e empre­en­de­do­ra no Bra­sil?

NM A mulher pre­ci­sa se colo­car em um papel de pes­soa incrí­vel, não de ficar achan­do que depen­de da acei­ta­ção do homem. Nun­ca dei impor­tân­cia para o que os outros fala­vam; sem­pre me fechei no meu mun­do e tive foco naqui­lo que que­ria. Eu e todos os meus fun­ci­o­ná­ri­os tra­ba­lha­mos de pija­ma. Isso, para mim, foi uma for­ma de liber­ta­ção de padrões. Sem­pre fui mui­to reti­lí­nea nas coi­sas que quis e nun­ca dei ouvi­dos para qual­quer coi­sa que pudes­se me puxar pra bai­xo. As mulhe­res pre­ci­sam assu­mir a auto­ria de suas pró­pri­as vidas e enten­der que elas podem empre­en­der, sim, da mes­ma for­ma que os homens.

CM – Você já for­mou mais de 10 mil alu­nos na Nata­lia Beauty & Aca­demy. Quais são as his­tó­ri­as de vida das mulhe­res E DOS homens que pas­sa­ram pela aca­de­mia??

NM São sur­re­ais. É mui­to legal ver como as pes­so­as eram e como se tor­nam depois que pas­sam pela aca­de­mia, por­que isso vali­da todo o nos­so tra­ba­lho. Muda­mos mui­to o mind­set dos alu­nos depois que che­gam à aca­de­mia. Isso é mui­to gos­to­so. Todo o tra­ba­lho que fiz, toda a cul­tu­ra que imple­men­tei na empre­sa – de acre­di­tar nos sonhos, de fazer acon­te­cer e de não depen­der de nin­guém – foi mui­to intui­ti­vo, pois não fiz nenhum cur­so de empre­en­de­do­ris­mo ou de admi­nis­tra­ção. Tudo na minha mar­ca tem uma filo­so­fia de vida, que hoje cha­mo de flow mind: flow brows, flow lips, “flow-res­ça seus sonhos” etc., por­que o flow é o esta­do per­fei­to de sin­to­nia com o cons­ci­en­te e o ago­ra. É o esta­do de feli­ci­da­de abso­lu­ta.