MICHA­EL CON­RAD

Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol of Cre­a­ti­ve Lea­dership

O QUE LEVAR DA EDI­ÇÃO 2019 DO

FES­TI­VAL INTER­NA­CI­O­NAL DE

CRI­A­TI­VI­DA­DE CAN­NES LIONS

O QUE LEVAR DA EDI­ÇÃO 2019 DO

FES­TI­VAL INTER­NA­CI­O­NAL DE

CRI­A­TI­VI­DA­DE CAN­NES LIONS

MICHA­EL CON­RAD
Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol
of Cre­a­ti­ve Lea­dership

MICHA­EL CON­RAD
Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol
of Cre­a­ti­ve Lea­dership

As mar­cas mais fala­das de 2019 eram aque­las que vão fun­do em seu pro­pó­si­to e o defen­dem bra­va­men­te”

   O Fes­ti­val Inter­na­ci­o­nal de Cri­a­ti­vi­da­de Can­nes Lions é o momen­to de cele­brar os melho­res tra­ba­lhos cri­a­ti­vos do mun­do, des­co­brir ten­dên­ci­as em comu­ni­ca­ção e tec­no­lo­gia e enten­der melhor o que os con­su­mi­do­res real­men­te que­rem das mar­cas que eles amam, defen­dem ou são con­trá­ri­os. É tam­bém uma chan­ce de ter olhar crí­ti­co a res­pei­to de como a indús­tria é lide­ra­da.

   Nos­so pro­gra­ma de nove dias em Can­nes, o Can­nes Cre­a­ti­ve Lea­ders Pro­gram­me, explo­rou todo o poten­ci­al do tema Expe­ri­ên­cia de Mar­ca, des­de como as mar­cas são estru­tu­ra­das até como elas repre­sen­tam e rea­gem a mudan­ças soci­ais e falam com seu públi­co. Entre a sala de aula e as cele­bra­ções à bei­ra-mar, nós absor­ve­mos uma infi­ni­da­de de insights, incluin­do as incon­gruên­ci­as entre o que as mar­cas dizem e o que real­men­te fazem. Seguem aqui as três prin­ci­pais idei­as para levar do even­to des­te ano:

 

Fes­ti­val ver­sus Rea­li­da­de

   Pro­pó­si­to de Mar­ca foi a expres­são-cha­ve em Can­nes este ano, com notá­veis pro­je­tos de cunho soci­al, como a cam­pa­nha “Dre­am Crazy”, da Nike. As mar­cas mais fala­das de 2019 eram aque­las que vão fun­do em seu pro­pó­si­to e o defen­dem bra­va­men­te. Ao mes­mo tem­po, o Fes­ti­val des­cor­ti­na dis­cre­pân­ci­as entre dis­cur­so e prá­ti­ca, como nas “prai­as” das gran­des mar­cas. Ago­ra que o Fes­ti­val aca­bou e a indús­tria vol­ta à sua roti­na, a ques­tão que fica para líde­res cri­a­ti­vos é onde focar, pri­o­ri­zar e pro­mo­ver mudan­ças.

 

Reca­li­bran­do a Ordem do Mun­do Real

   Dados e res­pon­sa­bi­li­da­de anda­ram de mãos dadas no Fes­ti­val de Can­nes des­te ano, já que os par­ti­ci­pan­tes deba­te­ram a pos­tu­ra éti­ca de mar­cas em ascen­são. Recen­te­men­te, vimos a vio­la­ção dos dados dos con­su­mi­do­res como nun­ca antes por orga­ni­za­ções como Face­bo­ok e Goo­gle – empre­sas com as quais mar­cas e con­su­mi­do­res inte­ra­gem todos os dias. Na Euro­pa, mui­tas com­pa­nhi­as enfren­ta­ram bilhões em mul­tas por vio­lar medi­das anti­com­pe­ti­ti­vas, a con­fi­an­ça do con­su­mi­dor e a pri­va­ci­da­de de dados. Esse deba­te é polí­ti­co, de mar­ca, con­su­mo e soci­al e deve ser abra­ça­do por todos nós, com sere­ni­da­de e foco.

   As mar­cas que não cen­tra­rem suas estra­té­gi­as, as jor­na­das do con­su­mi­dor e o ímpe­to cri­a­ti­vo, res­pei­tan­do este con­tex­to, esta­rão cer­ta­men­te sob escru­tí­nio públi­co.

 

A Ásia como a Pró­xi­ma Voz na Ino­va­ção Cri­a­ti­va

   Outra rea­li­da­de é o cres­ci­men­to da voz asiá­ti­ca e sua repre­sen­ta­ti­vi­da­de. Na comu­ni­ca­ção, na ino­va­ção e na lide­ran­ça, a pers­pec­ti­va da Ásia se tor­nou crí­ti­ca e trans­gres­so­ra, com nomes como Bes­sie Lee e Marie Kon­do domi­nan­do os pal­cos, e mar­cas como Sam­sung e Ten­cent lide­ran­do os deba­tes sobre tec­no­lo­gia e gas­tos de luxo. É um sinal de uma repre­sen­ta­ção mais sau­dá­vel e um ace­no à fren­te daque­les que lide­ram o futu­ro, no pas­so ace­le­ra­do em que o mer­ca­do asiá­ti­co cres­ce.

   No geral, advo­go que o Can­nes Lions é, cada vez mais, a cele­bra­ção em par­ce­ria com a ação; “prê­mi­os e mais mobi­li­za­ção” para uma indús­tria cri­a­ti­va que quer ree­xa­mi­nar seu impac­to no mun­do. É um óti­mo come­ço, embo­ra ain­da exis­ta um lon­go cami­nho a per­cor­rer. Nós, da Ber­lin Scho­ol, esta­mos orgu­lho­sos de empo­de­rar os Líde­res Cri­a­ti­vos que já estão con­du­zin­do essas mudan­ças. Siga­mos em fren­te!

As mar­cas mais fala­das de 2019 eram aque­las que vão fun­do em seu pro­pó­si­to e o defen­dem bra­va­men­te”