MICHA­EL CON­RAD

Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol of Cre­a­ti­ve Lea­dership

O QUE PODE­MOS APREN­DER NA

RELA­ÇÃO COM NOS­SOS CLI­EN­TES?

O QUE PODE­MOS APREN­DER NA

RELA­ÇÃO COM NOS­SOS CLI­EN­TES?

MICHA­EL CON­RAD
Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol
of Cre­a­ti­ve Lea­dership

MICHA­EL CON­RAD
Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol
of Cre­a­ti­ve Lea­dership

Uma das prin­ci­pais lições que Zai­di con­ta ter apren­di­do é que não exis­te tra­ba­lho bem-fei­to sem um bom cli­en­te que con­fie o bas­tan­te no tra­ba­lho cri­a­ti­vo entre­gue para se dei­xar seguir por um cami­nho des­con­for­tá­vel”

   A edi­ção pas­sa­da da revis­ta Con­su­mi­dor Moder­no trou­xe como maté­ria de capa a rela­ção entre as mar­cas e os seus con­su­mi­do­res, mer­gu­lhan­do nos dri­vers que cons­tro­em vín­cu­los mais dura­dou­ros, resis­ten­tes e per­sis­ten­tes em épo­ca de cone­xões cada vez mais volá­teis e ofer­tas mai­o­res, melho­res e mais atra­en­tes. Apro­vei­tan­do o gan­cho, achei que seria rele­van­te explo­rar aqui outra rela­ção que tam­bém tem-se res­sig­ni­fi­ca­do ao lon­go dos últi­mos tem­pos, impac­ta­da por fato­res seme­lhan­tes: a rela­ção entre a empresa/agência e os seus cli­en­tes. Este foi o tema do nos­so Can­nes Cre­a­ti­ve Lea­ders Pro­gram­me do ano pas­sa­do, em que nos apro­fun­da­mos em tópi­cos como trans­pa­rên­cia, cri­a­ção de valor e mudan­ça no cená­rio das agên­ci­as, entre outros.

   Uma das par­ti­ci­pan­tes do pro­gra­ma foi Zeh­ra Zai­di, dire­to­ra-exe­cu­ti­va de Cri­a­ção na Ogilvy Paquis­tão, que vem cons­truin­do uma car­rei­ra de suces­so com a Coca-Cola por mais de cin­co anos. Ela com­par­ti­lha conos­co algu­mas das lições que con­si­de­ra fun­da­men­tais ter apren­di­do ao lon­go des­ta par­ce­ria:

 

CON­FI­AN­ÇA E CRI­A­TI­VI­DA­DE

   Rela­ções for­tes são menos sus­ce­tí­veis às incons­tân­ci­as e fomen­tam o tra­ba­lho cri­a­ti­vo: Zai­di nos con­ta que uma rela­ção cons­truí­da na base da con­fi­an­ça mútua não ape­nas se tor­na a fun­da­ção para um bom tra­ba­lho em equi­pe como tam­bém faz com que os cri­a­ti­vos se sin­tam mais empo­de­ra­dos para terem auto­no­mia sobre o que cri­am e liber­da­de para desen­vol­ver em par­ce­ria com o cli­en­te.

 

NAVE­GAR EM TEM­POS INCONS­TAN­TES

   A indús­tra cri­a­ti­va é movi­da pela mudan­ça cons­tan­te, o que pode cau­sar incer­te­zas e colo­car mui­ta pres­são sobre o que os cli­en­tes devem pri­o­ri­zar. Zai­di diz que a mai­or mudan­ça que ela tem per­ce­bi­do em seus cli­en­tes é a impor­tân­cia assu­mi­da pela tec­no­lo­gia e a rele­vân­cia do digi­tal como meio. Este novo papel tem trans­for­ma­do a indús­tria dras­ti­ca­men­te e a for­ça­do a repen­sar cami­nhos e estra­té­gi­as para ter mai­or alcan­ce. “O desa­fio não se resu­me ape­nas a um for­ma­to, mas tam­bém exi­ge mind­set e abor­da­gem dife­ren­tes para atin­gir a audi­ên­cia”, ela diz.

 

ZONA DE (DES)CONFORTO

   Uma das prin­ci­pais lições que Zai­di con­ta ter apren­di­do é que não exis­te tra­ba­lho bem-fei­to sem um bom cli­en­te que con­fie o bas­tan­te no tra­ba­lho cri­a­ti­vo entre­gue para se dei­xar seguir por um cami­nho des­con­for­tá­vel, cer­tas vezes, e que seja pro­vo­ca­ti­vo e ques­ti­o­na­dor, por­que a con­fi­an­ça vem des­ta cola­bo­ra­ção cons­truí­da ao lon­go do tem­po e da fé no que é fei­to em par­ce­ria. “Isso não exi­me as agên­ci­as de faze­rem a sua par­te com pes­qui­sas bem fun­da­men­ta­das; mas cada vez menos se vê alguém dizen­do ‘isso foi ideia minha’, e cada vez mais vemos tra­ba­lhos fei­tos em equi­pe e cocri­a­dos por todas as par­tes envol­vi­das no pro­ces­so. É isso que che­ga a resul­ta­dos”, ela diz.

   Já esta­mos com a pro­gra­ma­ção do nos­so Can­nes Cre­a­ti­ve Lea­ders Pro­gram­me de 2020 e pre­ço pro­mo­ci­o­nal de pri­mei­ro lote – Sai­ba mais em: https://www.berlin-school.com/cclp.

Uma das prin­ci­pais lições que Zai­di con­ta ter apren­di­do é que não exis­te tra­ba­lho bem-fei­to sem um bom cli­en­te que con­fie o bas­tan­te no tra­ba­lho cri­a­ti­vo entre­gue para se dei­xar seguir por um cami­nho des­con­for­tá­vel”