REBE­CA DE MORA­ES

Sócia-fun­da­do­ra e dire­to­ra
da Sole­dad

OS SEGRE­DOS DE

MARIE KON­DO

OS SEGRE­DOS DE

MARIE KON­DO

REBE­CA DE MORA­ES

Sócia-fun­da­do­ra e dire­to­ra
da Sole­dad

Vive­mos um momen­to no qual nar­ra­ti­vas que pro­du­tos podem cri­ar impor­tam mais que
os pro­du­tos em si”

    De repen­te, uma enxur­ra­da de Ins­ta Sto­ri­es de pes­so­as fazen­do baza­res em casa. Alguns anun­ci­am suas rou­pas em sites de reven­da. Outros divul­gam con­vi­tes de even­tos orga­ni­za­dos entre ami­gos no esti­lo “famí­lia ven­de tudo”. A onda de des­pren­di­men­to tem nome: Marie Kon­do. A japo­ne­sa, auto­ra do best-sel­ler “A Mági­ca da Arru­ma­ção”, pro­ta­go­ni­za a série “Ordem na Casa”, da Net­flix, em que mos­tra na prá­ti­ca o que ensi­na no livro: como con­se­guir uma vida nova por meio da arru­ma­ção da casa. E não são pou­cos os bra­si­lei­ros que, depois de assis­ti­rem aos epi­só­di­os do pro­gra­ma, andam se ins­pi­ran­do na meto­do­lo­gia dela para desa­pe­gar dos per­ten­ces.

   Orga­ni­za­ção de casa não é lá nenhu­ma novi­da­de, mas o méto­do de Marie aten­de à anti­ga neces­si­da­de de viver em har­mo­nia com obje­tos de um jei­to dife­ren­te, novo e conec­ta­do com as ten­dên­ci­as – daí enten­de­mos o porquê de tan­to suces­so. A cha­ve do pro­ces­so ensi­na­do pela japo­ne­sa vai além de põe e tira de coi­sas. Ela vai além quan­do diz que cada pes­soa deve ter em casa ape­nas os obje­tos que lhe tra­zem feli­ci­da­de, esti­mu­lan­do que se man­te­nha ape­nas aqui­lo com que se tem uma rela­ção emo­ci­o­nal rele­van­te. Marie não fala só de orga­ni­za­ção de obje­tos, mas anun­cia a neces­si­da­de de ter his­tó­ri­as para con­tar sobre os obje­tos.

    Os sue­cos estão sem­pre no topo da lis­ta das pes­qui­sas que medem as popu­la­ções mais feli­zes do mun­do e têm sem­pre uma recei­ta para isso. Uma das mais recen­tes aten­de pelo nome de “lagom”, que repre­sen­ta uma vida equi­li­bra­da, que não tenha nem mui­to nem pou­co. No uni­ver­so do con­su­mo, pode­mos tra­du­zir essa ideia como o equi­lí­brio entre ter um clo­set gigan­tes­co de cele­bri­da­de e um armá­rio com cin­co peças de rou­pa, como a dupla do docu­men­tá­rio (tam­bém da Net­flix) “Mini­ma­lis­mo”. É ter só aqui­lo com que você tem ape­go de
ordem emo­ci­o­nal.

    a série ame­ri­ca­na, o suces­so de Marie Kon­do é atri­buí­do ao dese­jo do públi­co de assis­tir a gran­des acu­mu­la­do­res se livran­do de depó­si­tos lota­dos de tra­lha. No Bra­sil, a popu­la­ri­da­de da recei­ta de orga­ni­za­ção se expli­ca de outra for­ma: pelo cres­cen­te dese­jo do bra­si­lei­ro, mer­gu­lha­do numa inten­sa cri­se econô­mi­ca, de ter ape­nas o que se con­se­gue usar inte­gral­men­te. E a gen­te só usa por intei­ro, com a sen­sa­ção de que fez bom uso, quan­do se conhe­ce aqui­lo pro­fun­da­men­te, de vári­as for­mas. É sen­tir na emo­ção o que se cha­ma raci­o­nal­men­te de rela­ção cus­to-bene­fí­cio.

    Vive­mos um momen­to no qual nar­ra­ti­vas que pro­du­tos podem cri­ar impor­tam mais que os pro­du­tos em si. Um pro­du­to que con­ta his­tó­ria é aque­le que pro­por­ci­o­na uma expe­ri­ên­cia inte­res­san­te, auten­ti­ci­da­de (o que faz o con­su­mi­dor poder con­tar uma his­tó­ria úni­ca) ou ver­sa­ti­li­da­de (vári­os tipos de uso, em momen­tos dife­ren­tes). É uma boa his­tó­ria que vai garan­tir a cone­xão emo­ci­o­nal entre mar­ca e con­su­mi­dor nos pró­xi­mos anos – e tam­bém o que vai fazer seu pro­du­to pas­sar com lou­vor pela fatí­di­ca per­gun­ta que Marie Kon­do reco­men­da que se faça ao se depa­rar com um obje­to duran­te o pro­ces­so de orga­ni­za­ção: “esse pro­du­to traz feli­ci­da­de?”. Um pro­du­to que pro­por­ci­o­na his­tó­ria para con­tar não vai rece­ber um não.

Vive­mos um momen­to no qual nar­ra­ti­vas que pro­du­tos podem cri­ar impor­tam mais que os pro­du­tos em si”