LOBAL
Os segre­dos de um aten­di­men­to Lobal
Con­si­de­ran­do a vari­e­da­de de públi­co pre­sen­te no Bra­sil, a AeC apren­de, inclu­si­ve, com as empre­sas-cli­en­tes sobre pro­ces­sos de iden­ti­fi­ca­ção e acul­tu­ra­men­to
Por Melis­sa Lulio

IDEN­TI­FI­CA­ÇÃO, ACO­LHI­MEN­TO e segu­ran­ça são deman­das que já, há algum tem­po, têm sido par­te do dia a dia da rela­ção entre empre­sas e cli­en­tes. Con­su­mi­do­res pro­cu­ram nego­ci­ar com orga­ni­za­ções nas quais con­fi­am e, devi­do à COVID-19, essa bus­ca se tor­nou mais real do que nun­ca. O con­cei­to de Lobal, apre­sen­ta­do no Pro­je­to Iden­ti­da­des, desen­vol­vi­do pela Con­su­mi­dor Moder­no, nas­ceu antes des­se cená­rio tão com­ple­xo, mas tor­nou-se ain­da mais coe­ren­te depois do iní­cio da pan­de­mia. 

Com o iso­la­men­to soci­al, pas­sa­mos a viver cada vez mais em nos­sos pró­pri­os mun­dos – dedi­ca­dos à famí­lia, ao pró­prio tra­ba­lho (mes­mo que em home offi­ce) e, quan­do é neces­sá­rio sair, o cor­re­to é não ir mui­to lon­ge. Mas, como é que essa rea­li­da­de se apli­ca ao aten­di­men­to ao cli­en­te? Mes­mo antes da pan­de­mia, como o rela­ci­o­na­men­to era impac­ta­do pelo Lobal?

A AeC, nas­ci­da em Minas Gerais, é uma das empre­sas que mais tem pro­pri­e­da­de para res­pon­der a essas ques­tões. Afi­nal, como expli­ca Jack­son Bru­no, dire­tor de Negó­ci­os, a com­pa­nhia repre­sen­ta e aten­de deze­nas de mar­cas naci­o­nais e inter­na­ci­o­nais de diver­sos seg­men­tos do mer­ca­do, inclu­si­ve algu­mas com ori­gem na Chi­na, Itá­lia, Fran­ça, entre outros paí­ses. “Essas mar­cas já tra­ba­lham for­te­men­te a ques­tão da ten­dên­cia Lobal”, afir­ma. “Elas dei­xam de fazer pro­du­tos e pres­tar deter­mi­na­dos ser­vi­ços para gran­des mas­sas e come­çam a aten­der a neces­si­da­des locais”, afir­ma.

O MER­CA­DO ENTEN­DEU QUE NÃO ADI­AN­TA OFE­RE­CER UM ATEN­DI­MEN­TO COM­PLE­TA­MEN­TE DIGI­TAL POR­QUE EXIS­TE UM PÚBLI­CO QUE QUER FALAR COM O HUMA­NO.”
Jack­son Bru­no, dire­tor de Negó­ci­os da AeC
APREN­DEN­DO COM O ENTOR­NO

Como exem­plo, ele cita que pro­du­tos de bele­za eram fei­tos de manei­ra mas­si­va e, ago­ra, há com­po­si­ções para todo tipo de cabe­lo e pele. “A AeC enten­de que essa expe­ri­ên­cia, seja na esco­lha do pro­du­to, seja na esco­lha de como ser aten­di­do, é uma deci­são do con­su­mi­dor”, defen­de. “Hoje, as empre­sas que se des­ta­cam são aque­las que real­men­te con­se­guem cri­ar iden­ti­da­de com uma comu­ni­da­de, uma loca­li­da­de”.

De acor­do com o exe­cu­ti­vo, empre­sas que vie­ram de fora do Bra­sil pas­sa­ram por um pro­ces­so de acul­tu­ra­men­to. “Car­ros espe­cí­fi­cos são ven­di­dos aqui por­que o gos­to do bra­si­lei­ro é dife­ren­te, enquan­to pro­du­tos de bele­za espe­cí­fi­cos são cri­a­dos para cor­res­pon­der às carac­te­rís­ti­cas do bra­si­lei­ro”, pon­tua.

A VOZ DO CON­SU­MI­DOR

A jor­na­da, cada vez mais, é defi­ni­da pelo con­su­mi­dor”, diz. Na AeC, isso se mani­fes­ta espe­ci­al­men­te pela vari­e­da­de de canais – do tele­fo­ne ao What­sApp. “O mer­ca­do já enten­deu que não adi­an­ta ofe­re­cer um aten­di­men­to com­ple­ta­men­te digi­tal por­que exis­te um públi­co que quer falar com o huma­no, por exem­plo”, afir­ma.

O tra­ba­lho da empre­sa minei­ra com as mar­cas-cli­en­tes é de par­ce­ria: elas são espe­ci­a­lis­tas em desen­vol­ver pro­du­tos com os quais o cli­en­te se iden­ti­fi­que, enquan­to a AeC sabe como, mui­tas vezes pos­te­ri­or­men­te à com­pra, man­ter um rela­ci­o­na­men­to coe­ren­te e de con­fi­an­ça. “Quan­do faze­mos essa cone­xão da AeC com as mar­cas e das mar­cas glo­bais com as comu­ni­da­des locais, con­se­gui­mos des­co­brir quais são as melho­res for­mas de lidar com os públi­cos”, reve­la o dire­tor de Negó­ci­os. “Cada vez mais, as empre­sas se pre­o­cu­pam com as suas cone­xões e cri­am iden­ti­da­des para fide­li­zar o cli­en­te.”