POR QUE INVES­TIR EM SÃO PAU­LO?

A INVES­TE SP NÃO LIS­TA AS RAZÕES PELAS QUAIS EMPRE­SAS, INVES­TI­DO­RES E EMPRE­EN­DE­DO­RES DEVEM OLHAR COM CARI­NHO PARA O ESTA­DO MAIS RICO DO PAÍS COMO OS APOIA NES­SA JOR­NA­DA. DES­DE 2008, ELA AJU­DOU A ATRAIR PARA A REGIÃO QUA­SE R$ 50 BILHÕES EM INVES­TI­MEN­TOS

POR IVAN VEN­TU­RA

   Em 2011, a Toyo­ta con­se­guiu supe­rar um obs­tá­cu­lo impor­tan­te e que a impe­dia de abrir o seu par­que indus­tri­al na região de Soro­ca­ba, no inte­ri­or de São Pau­lo: um via­du­to. A mon­ta­do­ra japo­ne­sa depen­dia de um aces­so entre a fábri­ca e a rodo­via e, por lei, não pode­ria fazer uma obra públi­ca des­sa mag­ni­tu­de. Já o gover­no esta­du­al não tinha ver­ba para tal. Foi então que entrou em cena a Agên­cia Pau­lis­ta de Pro­mo­ção de Inves­ti­men­tos e Com­pe­ti­ti­vi­da­de (Inves­te SP). 

   O órgão suge­riu que a obra fos­se fei­ta pela con­ces­si­o­ná­ria res­pon­sá­vel pela rodo­via medi­an­te uma exten­são con­tra­tu­al de seis meses. A ideia agra­dou, e a fábri­ca foi inau­gu­ra­da no ano seguin­te.

NÚME­ROS

Des­de que foi cri­a­da, em 2008, a Inves­te SP já aju­dou a fomen­tar:

0
- pro­je­tos
0
- mil empre­gos
R$
0
- bilhões em inves­ti­men­tos para iní­cio ou expan­são de empre­sas

A INVES­TE SP

   Idei­as como essa se tor­na­ram roti­na na esta­tal cri­a­da para dar supor­te téc­ni­co e polí­ti­co a empre­sas, inves­ti­do­res e empre­en­de­do­res que tenham inten­ção de desem­bar­car ou expan­dir seus negó­ci­os no Esta­do de São Pau­lo. Des­de 2008, quan­do foi cri­a­da, a agên­cia já aju­dou a atrair cer­ca de R$ 50 bilhões à região. O êxi­to resul­tou tam­bém na cri­a­ção de mais de 81 mil empre­gos dire­tos. “O empre­sá­rio che­ga aqui, assu­me um com­pro­mis­so por escri­to de con­fi­den­ci­a­li­da­de e entre­ga o seu pro­je­to. Depois, o caso é ana­li­sa­do por duas dire­to­ri­as: uma que veri­fi­ca as situ­a­ções polí­ti­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal do pro­je­to, e outra que faz uma revi­são da via­bi­li­da­de econô­mi­co-finan­cei­ra dele”, diz Tor­qua­to Jar­dim, ex-minis­tro da Jus­ti­ça e atu­al vice-pre­si­den­te da Inves­te SP. Entre as empre­sas aju­da­das estão Hyun­dai, Ame­ri­can Air­li­nes, Vale e Mer­ce­des-Benz.

APOIO TÉC­NI­CO E POLÍ­TI­CO

   Gra­tui­ta, a con­sul­to­ria pres­ta­da pela Inves­te SP per­mi­te o aces­so tan­to a dados macro do Esta­do, como infra­es­tru­tu­ra e impac­tos ambi­en­tais e popu­la­ci­o­nais, como a infor­ma­ções mais espe­cí­fi­cas, como o mape­a­men­to de lojas e esco­las bilín­gues, por exem­plo. “Cer­ta vez, uma empre­sa nos ques­ti­o­nou sobre uma lis­ta de cida­des com cam­pos de gol­fe. E nós encon­tra­mos um espa­ço jus­ta­men­te de acor­do com essa deman­da”, lem­bra Rena­to de Bar­ros Sil­va, geren­te de Inves­ti­men­to da Inves­te SP.

   Outro trun­fo da agên­cia é a arti­cu­la­ção polí­ti­ca em bene­fí­cio do pro­je­to, seja na hora de apro­xi­mar o inves­ti­dor de pres­ta­do­res de ser­vi­ços públi­cos, seja na hora de ori­en­tá-lo a res­pei­to de incen­ti­vos fis­cais. Isso por­que, a par­tir do momen­to em que uma empre­sa esbo­ça a inten­ção de ins­ta­lar uma fábri­ca que irá aumen­tar a arre­ca­da­ção local e gerar empre­gos, obvi­a­men­te ela atrai o inte­res­se de pre­fei­tos. E é nes­se momen­to em que entra a agên­cia. “Fei­ta a esco­lha do imó­vel por par­te do empre­sá­rio, nós vamos a cam­po para con­ver­sar com pre­fei­tos e vere­a­do­res. Nes­sas con­ver­sas, colo­ca­mos em pau­ta a pos­si­bi­li­da­de da apro­va­ção de um dife­ren­ci­al de Impos­to sobre Ser­vi­ços (ISS), Impos­to Pre­di­al e Ter­ri­to­ri­al Urba­no (IPTU) ou mes­mo a ces­são gra­tui­ta de ter­re­no por 30 ou 40 anos”, expli­ca Jar­dim. Mais do que isso, diz ele, a Inves­te SP veri­fi­ca se a infra­es­tru­tu­ra aten­de à empre­sa. “Essas arti­cu­la­ções con­si­de­ram o inte­res­se polí­ti­co, mas sem­pre res­pal­da­do em argu­men­tos téc­ni­cos”, diz Jar­dim.

SEM CON­FLI­TO DE INTE­RES­SES

   Sobre a apro­xi­ma­ção entre o poder públi­co e as empre­sas, ele des­ta­ca o papel da agên­cia em cha­mar a aten­ção de pre­fei­tos e vere­a­do­res para que des­po­li­ti­zem suas esco­lhas. “É natu­ral do polí­ti­co, e eu não estou fazen­do nenhu­ma crí­ti­ca, que ele quei­ra para si aque­la gera­ção de empre­go, assim como uma rodo­via ou pon­te. Até o vale-refei­ção melho­ra as qui­tan­das e as loji­nhas da muni­ci­pa­li­da­de. Mas não adi­an­ta que pre­fei­tos e empre­sá­ri­os venham até nós achan­do que apa­re­cer com o polí­ti­co do mes­mo par­ti­do do gover­na­dor resol­ve­rá o pro­ble­ma. Pre­ci­sa­mos cum­prir um qua­dro téc­ni­co”, garan­te. Na Inves­te SP, refor­ça, as deman­das são ana­li­sa­das a par­tir das meto­do­lo­gi­as pre­es­ta­be­le­ci­das. “Ago­ra, a deci­são é do empre­sá­rio. Se ele qui­ser um ‘short­cut’, pode se dar mal”.


IMPOR­TÂN­CIA SOCI­AL

   O ser­vi­ço pres­ta­do pela Inves­te SP à ini­ci­a­ti­va pri­va­da aca­ba sen­do um jogo de ganha-ganha. Isso por­que, com os inves­ti­men­tos, sur­gem o apri­mo­ra­men­to de ser­vi­ços públi­cos e o incen­ti­vo à gera­ção de empre­gos no Esta­do que con­cen­tra o mai­or núme­ro de desem­pre­ga­dos do País. “Dos cer­ca de 13 milhões de desem­pre­ga­dos no Bra­sil, 4 milhões estão em São Pau­lo. Temos um pro­gra­ma de star­tups mui­to gran­de, mas tam­bém pre­ci­sa­mos ter pro­je­tos que gerem empre­gos tra­di­ci­o­nais. Tão impor­tan­te quan­to gerar empre­go novo é você man­ter quem já está empre­ga­do”, expli­ca Tor­qua­to. Em tem­pos de Lava Jato, eis um bom exem­plo de par­ce­ria públi­co-pri­va­da que vem dan­do cer­to.

10 SER­VI­ÇOS PRES­TA­DOS PELA INVES­TE SP

Cri­a­da para dar supor­te téc­ni­co e polí­ti­co aos inves­ti­do­res de peque­no, médio ou gran­de por­tes que quei­ram desem­bar­car no Esta­do, a agên­cia pres­ta ser­vi­ços mui­tas vezes des­co­nhe­ci­dos pelo públi­co. São eles:

1. Apoio a poten­ci­ais inves­ti­do­res em sua inter­lo­cu­ção com órgãos públi­cos

2. Con­sul­to­ria na iden­ti­fi­ca­ção dos melho­res locais do Esta­do para inves­tir de acor­do com as neces­si­da­des da ati­vi­da­de, como mão de obra, infra­es­tru­tu­ra e logís­ti­ca

3. Infor­ma­ções pon­tu­ais e estra­té­gi­cas sobre as melho­res con­di­ções para se inves­tir no Esta­do

4. Incen­ti­vo às expor­ta­ções dos pro­du­to­res pau­lis­tas, bem como capa­ci­ta­ção de poten­ci­ais expor­ta­do­res

5. Arti­cu­la­ção com enti­da­des públi­cas e pri­va­das rele­van­tes para o pro­ces­so de atra­ção de inves­ti­men­tos e expor­ta­ção

6. Apoio a peque­nas e médi­as empre­sas, tan­to na ins­ta­la­ção de novos empre­en­di­men­tos como na pro­mo­ção de expor­ta­ção da pro­du­ção

7. Asses­so­ria tri­bu­tá­ria para ori­en­tar o inves­ti­dor em rela­ção a incen­ti­vos fis­cais

8. Asses­so­ria de infra­es­tru­tu­ra para mape­ar áre­as dis­po­ní­veis e veri­fi­car se elas aten­dem às neces­si­da­des do empre­en­di­men­to

9. Inter­lo­cu­ção com o poder públi­co (pre­fei­tu­ras, câma­ras entre outras)

10. Con­sul­to­ria ambi­en­tal con­si­de­ran­do, por exem­plo, pla­nos dire­to­res, recur­sos hídri­cos e áre­as con­ta­mi­na­das