PRE­CI­SA­MOS SER AMA­DO­RES

POR ALFRE­DO FEDRIZ­ZI
BUSI­NESS DEVE­LO­PER NA HYPER ISLAND BRA­SIL
OUÇA AQUI O ÁUDIO DES­TE ARTI­GO:

Com o mun­do de per­nas para o ar em fun­ção da COVID-19, mais do que nun­ca é pre­ci­so se rein­ven­tar. Negó­ci­os e pes­so­as. Bus­car novos mer­ca­dos, novos pro­du­tos e ser­vi­ços, novas for­mas de fazer as coi­sas, novas fon­tes de recei­ta. Mui­tos negó­ci­os — e pro­fis­sões — estão aca­ban­do. Outros foram tur­bi­na­dos pelo vírus. Nun­ca tan­tos pro­je­tos, esta­ci­o­na­dos nas gave­tas, saí­ram de lá em tão pou­co tem­po!

Aus­tin Kle­on, escri­tor ame­ri­ca­no que já havia escri­to o best-sel­ler do New York Times, Rou­be como um Artis­ta, lan­çou um novo livro: Mos­tre seu tra­ba­lho (Edi­to­ra Roc­co). Sele­ci­o­nei alguns tre­chos pró­pri­os para o momen­to em que esta­mos viven­do. A mudan­ça do mun­do é tão rápi­da que trans­for­ma todos em ama­do­res. O mon­ge Zen Shunryu Suzu­ki afir­ma: “Na men­te do nova­to, exis­tem mui­tas pos­si­bi­li­da­des. Na men­te dos expe­ri­en­tes, pou­cas”. Como o ama­dor tem pou­co a per­der, está dis­pos­to a ten­tar e divul­gar os resul­ta­dos.

Os ama­do­res apro­vei­tam as chan­ces, expe­ri­men­tam, seguem seus impul­sos. Às vezes, duran­te o pro­ces­so de fazer coi­sas de manei­ra não pro­fis­si­o­nal, des­co­brem o novo. Ama­do­res não têm medo do erro, nem de pare­cer ridí­cu­los em públi­co. São apai­xo­na­dos. Não hesi­tam em fazer tra­ba­lhos que outros acha­ri­am sim­pló­ri­os. Ama­do­res sabem que con­tri­buir com algo é melhor do que não con­tri­buir. Ama­do­res são pes­so­as nor­mais que gas­tam boa par­te do tem­po pen­san­do alto sobre o que cha­ma sua aten­ção. Às vezes, têm mais para ensi­nar do que espe­ci­a­lis­tas.

Um cole­ga pode aju­dar mais do que o pro­fes­sor por­que sabe menos. Mes­mo para pro­fis­si­o­nais, a melhor manei­ra de ver o tra­ba­lho flo­res­cer é man­ter o espí­ri­to ama­dor e abra­çar o incer­to, o des­co­nhe­ci­do. Os ama­do­res usam todas as fer­ra­men­tas dis­po­ní­veis para colo­car suas idei­as no mun­do. Além de expe­ri­men­tar mui­to, pre­ci­sam mos­trar o que estão fazen­do.

Você pre­ci­sa ser “encon­trá­vel”, par­ti­lhar suas idei­as e conhe­ci­men­tos para con­quis­tar um públi­co que pos­sa apoiá-lo, dar opi­niões ou patro­ci­nar. Ima­gi­ne fazer de um pro­je­to para­le­lo ou um hobby sua pro­fis­são. Você não pre­ci­sa ser um gênio. Gran­des idei­as são fre­quen­te­men­te gera­das por um gru­po de indi­ví­du­os cri­a­ti­vos, que for­mam um “ecos­sis­te­ma de talen­tos”. Na his­tó­ria, mui­tas das pes­so­as con­si­de­ra­das gêni­os soli­tá­ri­os eram na ver­da­de par­te de uma cena na qual havia apoio, tro­ca, exi­bi­ção de tra­ba­lhos, cópi­as, rou­bo de idei­as e con­tri­bui­ções tam­bém.

Um bom tra­ba­lho não é cri­a­do em um vácuo e a cri­a­ti­vi­da­de é sem­pre uma cola­bo­ra­ção, resul­ta­do de uma men­te conec­ta­da a outras men­tes. Divi­da o que ama e atrai­rá as pes­so­as cer­tas. Este­ja à pro­cu­ra de espa­ços vazi­os que você con­si­ga pre­en­cher com o pró­prio esfor­ço. Seja tão bom que não vão te igno­rar. Você não pre­ci­sa achar o públi­co para seu tra­ba­lho, ele vai achar você.

A melhor manei­ra de come­çar é pen­sar no que gos­ta­ria de apren­der. E eu acres­cen­to: pre­ci­sa­mos ser cons­tan­tes apren­di­zes, para não nos tor­nar­mos obso­le­tos. Esta­mos chei­os demais de ver­da­des. É sem­pre hora de nos rein­ven­tar­mos. E, quem sabe, rein­ven­tar o mun­do.