Bru­no Ron­da­ni, CEO da 100 Open Star­tups: par­ce­ria com o Whow! na cons­tru­ção de um ecos­sis­te­ma efi­ci­en­te de ino­va­ção

PRE­PA­RA­DOS PARA DECO­LAR?

O WHOW! SE UNE À 100 OPEN STAR­TUPS PARA PRO­MO­VER UM DOS MAI­O­RES EVEN­TOS DE INO­VA­ÇÃO DO PAÍS. FES­TI­VAL ACON­TE­CE ENTRE OS DIAS 23 E 25 DE JULHO NA ARCA, EM SÃO PAU­LO

POR RAPHA­EL CORAC­CI­NI

   Em um anti­go pré­dio meta­lúr­gi­co com cer­ca de 9 mil metros qua­dra­dos de área acon­te­ce, entre os dias 23 e 25 de julho, a ter­cei­ra edi­ção do Whow! Fes­ti­val de Ino­va­ção. Duran­te três dias, o públi­co pode­rá se divi­dir entre pales­tras na Arca, em São Pau­lo, e visi­tas cri­a­ti­vas a empre­sas como Movi­le, Esca­pe 60, Ins­ti­tu­to Ayr­ton Sen­na e Pep­si­Co. Este ano, o even­to pas­sa a ser rea­li­za­do em par­ce­ria com a 100 Open Star­tups, pla­ta­for­ma glo­bal de impac­to que conec­ta gran­des empre­sas a star­tups. “O Whow! é a opor­tu­ni­da­de de apro­xi­mar empre­sá­ri­os e exe­cu­ti­vos da eco­no­mia real para per­to das star­tups. É essa eco­no­mia real que con­ti­nu­a­rá impul­si­o­nan­do o nos­so PIB por mui­to tem­po e pre­ci­sa­mos apro­vei­tar este momen­to no qual as empre­sas tra­di­ci­o­nais estão se abrin­do para a ino­va­ção”, des­ta­ca Bru­no Ron­da­ni, fun­da­dor e CEO da 100 Open Star­tups.

   Com uma comu­ni­da­de com mais de 8.500 star­tups ati­vas conec­ta­das a 15 mil exe­cu­ti­vos e 2.200 gran­des empre­sas, a nova par­cei­ra de negó­ci­os vai lan­çar no even­to o Ran­king 100 Open Star­tups 2019. Entre as 200 star­tups que esta­rão pre­sen­tes no fes­ti­val, 25 delas têm, segun­do Ron­da­ni, poten­ci­al para se tor­na­rem uni­cór­ni­os. Elas farão um spe­ed dating duran­te o fes­ti­val para atrair inves­ti­do­res. “Cri­a­mos uma rede gran­de de negó­ci­os. A par­tir dela, con­se­gui­mos reco­men­dar quais star­tups são os melho­res inves­ti­men­tos, além de estru­tu­rar a deman­da de capi­tal”, afir­ma Ron­da­ni.

EMPRE­EN­DE­DO­RIS­MO

   Embo­ra não tenha uma cul­tu­ra arrai­ga­da de ino­va­ção, o Bra­sil é um dos paí­ses mais empre­en­de­do­res do mun­do. O levan­ta­men­to do Glo­bal Entre­pre­neurship Moni­tor apon­ta que o País ocu­pa o topo do ran­king de nações com o mai­or núme­ro de empre­en­de­do­res indi­vi­du­ais. Ao todo, 53% dos pro­fis­si­o­nais se decla­ram autô­no­mos. O mes­mo rela­tó­rio, no entan­to, escan­ca­ra a carên­cia do Bra­sil em ini­ci­a­ti­vas ino­va­do­ras, sejam elas em pro­du­tos, sejam em ser­vi­ços. A taxa de ati­vi­da­de empre­en­de­do­ra em está­gio ini­ci­al no Bra­sil está pró­xi­ma de 1%. No Chi­le – país com melhor índi­ce da Amé­ri­ca Lati­na – o índi­ce é de 12%.

   Para Ron­da­ni, a difi­cul­da­de não está em cri­ar solu­ções, mas sim em reu­nir capi­tal para esca­lar essas ini­ci­a­ti­vas. “Mui­tos empre­sá­ri­os de suces­so estão em tran­si­ção do mun­do cor­po­ra­ti­vo para o de inves­ti­men­tos como pes­soa físi­ca. Eles, geral­men­te, apren­de­ram mui­to sobre como estru­tu­rar empre­sas, fazê-las cres­cer e pro­fis­si­o­na­li­zar a ges­tão e, ago­ra, estão pas­san­do para o outro lado do bal­cão, viran­do inves­ti­do­res e apro­vei­tan­do o seu know-how para desen­vol­ver novas ini­ci­a­ti­vas”, des­ta­ca o empre­sá­rio. “É hora de tra­zê-los para per­to das star­tups”.

   Para pri­o­ri­zar a ino­va­ção, as star­tups con­tam com um pode­ro­so ali­a­do: as novas gera­ções. Adep­tos à tec­no­lo­gia, os nati­vos digi­tais estão ensi­nan­do os seus pais exe­cu­ti­vos e inves­ti­do­res a olhar para o futu­ro. “Mui­tas das pes­so­as que estão entran­do nes­se mun­do de inves­ti­men­to em star­tups têm filhos ado­les­cen­tes que são mui­to expos­tos à tec­no­lo­gia e come­çam a desa­fi­ar os pais. A dis­cus­são está den­tro de casa e mui­tas ver­da­des que os pais têm como sóli­das para seus negó­ci­os estão sen­do der­ru­ba­das pela cul­tu­ra digi­tal dos filhos”, garan­te Ron­da­ni.

   Ele des­ta­ca, tam­bém, que os exe­cu­ti­vos bra­si­lei­ros ain­da estão enga­ti­nhan­do quan­do o assun­to é ino­va­ção. “Mes­mo quan­do desem­bar­cam nes­se mun­do, ain­da enxer­gam o ecos­sis­te­ma com olhos de quem é par­cei­ro, cli­en­te ou com­pra­dor”, diz o espe­ci­a­lis­ta. Ou seja, a visão holís­ti­ca sobre o desen­vol­vi­men­to do mer­ca­do de ino­va­ção ain­da está sen­do desen­vol­vi­da. “O impor­tan­te é que os exe­cu­ti­vos e as gran­des empre­sas já come­ça­ram a enten­der esse mun­do e se mis­tu­rar às novas empre­sas. O Whow! é uma gran­de opor­tu­ni­da­de para seme­ar mais ino­va­ção na eco­no­mia naci­o­nal”.

POR QUE VOCÊ NÃO PODE PER­DER O WHOW!

Con­si­de­ra­do um dos mai­o­res fes­ti­vais de ino­va­ção do País, o Whow! che­ga à sua ter­cei­ra edi­ção em casa nova, com diver­sas visi­tas cri­a­ti­vas e pales­tras com men­tes ins­pi­ra­do­ras. Veja alguns des­ta­ques do even­to:

1. LOCAL
A ter­cei­ra edi­ção do fes­ti­val acon­te­ce­rá na Arca, um anti­go pré­dio meta­lúr­gi­co do pós-guer­ra; o mes­mo que sedi­ou a SPFW

2. VISI­TAS CRI­A­TI­VAS
Cen­te­nas de empre­sas ino­va­do­ras, como Esca­pe 60 e Pep­si­Co, abri­rão suas por­tas para os par­ti­ci­pan­tes

3. FUTU­RIS­TAS
O even­to terá um olhar para o futu­ro das rela­ções de con­su­mo. A lis­ta de gurus é exten­sa e inclui Jaque­li­ne Wei­gel, CEO da W Futu­ris­mo, e o antro­pó­lo­go de con­su­mo e colu­nis­ta da CBN Michel Alco­fo­ra­do

4. TRI­LHAS DE INO­VA­ÇÃO
Este ano, a jor­na­da de con­teú­do está divi­di­da por temas. São eles: ino­va­ção, fin­te­chs, mobi­lity­te­chs, health­te­chs, bots, retail­te­chs, law­te­chs, insur­te­chs e edu­te­chs

5. PRÊ­MIO
O even­to irá reco­nhe­cer empre­sas e ins­ti­tui­ções que pro­du­zem ino­va­ção con­sis­ten­te, tan­to incre­men­tal quan­to dis­rup­ti­va

6. STAR­TUPS
Em par­ce­ria com o Whow!, a 100 Open Star­tups leva­rá 200 star­tups ao fes­ti­val para um mat­ch­ma­king. Será a opor­tu­ni­da­de de conec­tar empre­sas líde­res às star­tups mais atra­en­tes do mer­ca­do