MICHA­EL CON­RAD

Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol of Cre­a­ti­ve Lea­dership

QUAL É O FUTU­RO EM

LIDE­RAN­ÇA CRI­A­TI­VA?

QUAL É O FUTU­RO EM

LIDE­RAN­ÇA CRI­A­TI­VA?

QUAL É O FUTU­RO EM

LIDE­RAN­ÇA CRI­A­TI­VA?

MICHA­EL CON­RAD
Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol
of Cre­a­ti­ve Lea­dership

MICHA­EL CON­RAD
Pre­si­den­te da Ber­lin Scho­ol
of Cre­a­ti­ve Lea­dership

Colo­car a diver­si­da­de em ação é adqui­rir len­tes que lhe abrem os olhos para enxer­gar pers­pec­ti­vas e pro­ble­mas que antes seri­am invi­sí­veis ou fáceis de igno­rar”

   Ano Novo é sem­pre momen­to de refle­xão.
Para ques­ti­o­nar qual é o futu­ro em Lide­ran­ça Cri­a­ti­va, pre­ci­sa­mos pri­mei­ro acei­tar que o mun­do se trans­for­mou (e con­ti­nu­a­rá se trans­for­man­do) dras­ti­ca­men­te, e qual­quer filo­so­fia que bus­que inje­tar cri­a­ti­vi­da­de no pro­ces­so de lide­rar a mudan­ça pre­ci­sa, tam­bém, ser ágil e cons­tan­te­men­te mutá­vel.

   Por essa natu­re­za, bus­car defi­ni­ções rígi­das seria um con­tras­sen­so. Entre­tan­to, quan­do refli­to sobre o futu­ro em Lide­ran­ça Cri­a­ti­va, vejo cer­tos fato­res-cha­ve que sem­pre per­ma­ne­ce­rão.

 

COM­PLE­XI­DA­DE

   Lide­ran­ça Cri­a­ti­va é com­ple­xa por natu­re­za. No seu âma­go está o fator huma­no. Lide­rar idei­as cri­a­ti­vas sig­ni­fi­ca estar aber­to à imen­sa vari­e­da­de de “fato­res huma­nos”, com carac­te­rís­ti­cas úni­cas, que movi­men­tam mer­ca­dos, ino­va­ções, ten­dên­ci­as, tec­no­lo­gia e cul­tu­ra. Da mes­ma manei­ra, a Lide­ran­ça Cri­a­ti­va assu­me que cada líder é dife­ren­te, e traz con­si­go uma pers­pec­ti­va. Lide­rar sig­ni­fi­ca, nes­se sen­ti­do, um ato cons­tan­te de equi­lí­brio, escu­ta e con­ci­li­a­ção do todo e das par­tes.

 

DIVER­SI­DA­DE

   Se dife­ren­ças são a essên­cia para a cri­a­ti­vi­da­de, então a dife­ren­ça está no cora­ção da Lide­ran­ça Cri­a­ti­va. A melhor abor­da­gem ao cons­truir negó­ci­os cri­a­ti­vos é ser o mais diver­so pos­sí­vel ao mon­tar suas equi­pes – tan­to aque­las que lhe influ­en­ci­am quan­to as que você empo­de­ra. Colo­car a diver­si­da­de em ação é adqui­rir len­tes que lhe abrem os olhos para enxer­gar pers­pec­ti­vas e pro­ble­mas que antes seri­am invi­sí­veis ou fáceis de igno­rar. E, se você não vê o pro­ble­ma, como você espe­ra encon­trar solu­ções cri­a­ti­vas?

 

APREN­DI­ZA­DO

   Como líde­res cri­a­ti­vos, pre­ci­sa­mos abra­çar com humil­da­de o pro­ces­so de apren­der e desa­pren­der, sem supor que ida­de é igual a conhe­ci­men­to, auto­ri­da­de ou capa­ci­da­de de ino­va­ção. Ao bus­car exce­lên­cia cri­a­ti­va, pre­ci­sa­mos estar aber­tos a feed­back e crí­ti­cas. É nos­sa res­pon­sa­bi­li­da­de, como líde­res cri­a­ti­vos, nutrir essa ati­tu­de em nos­sas equi­pes, cri­an­do ambi­en­tes em que apren­der seja liber­ta­dor, revi­go­ran­te e, aci­ma de tudo, incen­ti­va­dor.

 

COMU­NI­DA­DE

   Na Ber­lin Scho­ol, comu­ni­da­de sig­ni­fi­ca um espa­ço segu­ro e imer­si­vo que pos­si­bi­li­te apren­der, se arris­car, inte­ra­gir com outros e expe­ri­men­tar. Ao mes­mo tem­po, Lide­ran­ça Cri­a­ti­va não acon­te­ce em iso­la­men­to. Isso sig­ni­fi­ca tam­bém estar aber­to a novas e desa­fi­a­do­ras pers­pec­ti­vas vin­das de outros mer­ca­dos, de con­cor­ren­tes e de outras comu­ni­da­des.

 

ENFIM, QUAL É O FUTU­RO EM LIDE­RAN­ÇA CRI­A­TI­VA?

   Na era do aces­so ime­di­a­to à infor­ma­ção, é ten­ta­dor olhar para uma solu­ção devi­da­men­te empa­co­ta­da para o futu­ro da Lide­ran­ça Cri­a­ti­va, mas isso me pare­ce um para­do­xo.

   Como líde­res cri­a­ti­vos, pre­ci­sa­mos acre­di­tar que pila­res cen­trais como com­ple­xi­da­de, diver­si­da­de, apren­di­za­do e comu­ni­da­des irão nos capa­ci­tar para man­ter nos­sos olhos e men­tes aber­tos ao novo, de uma manei­ra que o bem-estar huma­no, a éti­ca e a exce­lên­cia cri­a­ti­va este­jam sem­pre em pri­mei­ro lugar.

Colo­car a diver­si­da­de em ação é adqui­rir len­tes que lhe abrem os olhos para enxer­gar pers­pec­ti­vas e pro­ble­mas que antes seri­am invi­sí­veis ou fáceis de igno­rar”