REBE­CA DE MORA­ES

Dire­to­ra da Sole­dad

SUA MAR­CA PRE­CI­SA DE UM

NOVO SEX APPE­AL

SUA MAR­CA PRE­CI­SA DE UM NOVO SEX APPE­AL

REBE­CA DE MORA­ES

Dire­to­ra da Sole­dad

REBE­CA DE MORA­ES

Dire­to­ra da Sole­dad

Sexes­ti­ma é uma ten­dên­cia que nas­ce de uma mudan­ça no com­por­ta­men­to sexu­al, mas tem impac­to em diver­sas esfe­ras da vida dos lati­nos e, por­tan­to, no negó­cio das empre­sas”

Recen­te­men­te, uma jovem de 22 anos, que nós entre­vis­tá­va­mos sobre sua rela­ção com maqui­a­gem, con­tou que foi impac­ta­da pelo Ins­ta­gram por meio de um anún­cio sobre um cur­so de tera­pia tân­tri­ca. Mes­mo que cami­nhan­do para uma estra­da dife­ren­te da que havia me leva­do a ela, não pude con­ter minha curi­o­si­da­de e ques­ti­o­nar o que a levou a se infor­mar sobre aque­la novi­da­de. Era um anún­cio, dis­se ela, que fala­va sobre encon­tros de mulhe­res – “res­ga­te do femi­ni­no” (em refe­rên­cia à sexu­a­li­da­de femi­ni­na) – e sobre um workshop por meio do qual se apren­de­ria sobre a pró­pria sexu­a­li­da­de. E por que fazer o tal cur­so? Ques­ti­o­nei, ten­tan­do enten­der suas moti­va­ções. “Saú­de e bem-estar” foi sua res­pos­ta, para minha total sur­pre­sa. Ela fala­va da sexu­a­li­da­de de manei­ra que me pare­ceu ines­pe­ra­da: não era sobre melho­rar sua per­for­man­ce sexu­al. Era a sexu­a­li­da­de como fer­ra­men­ta para aper­fei­ço­ar sua auto­es­ti­ma e, prin­ci­pal­men­te, para tra­zer bem-estar.

Este foi um dos depoi­men­tos que nos levou à “Sexes­ti­ma”, uma ten­dên­cia que nas­ce de uma mudan­ça no com­por­ta­men­to sexu­al, mas tem impac­to em diver­sas esfe­ras da vida dos lati­nos e, por­tan­to, no negó­cio das empre­sas. É uma ten­dên­cia que fala sobre a cons­tru­ção de uma nar­ra­ti­va nova e mais diver­sa para o sexo – que dei­xa de ser só o ato sexu­al em si para ser momen­tos de pra­zer indi­vi­du­ais, com ami­gos, ou mes­mo estar com o par­cei­ro ou a par­cei­ra em outros momen­tos, como divi­dir um sofá para ver Net­flix. É sobre o dese­jo cres­cen­te dos lati­nos de encon­trar luga­res para expor suas vul­ne­ra­bi­li­da­des, ter encon­tros com pes­so­as que pen­sem pare­ci­do (em tem­pos de pola­ri­za­ção nas redes soci­ais!) e ampli­ar as nar­ra­ti­vas sobre sexo. As cam­pa­nhas de Dia dos Namo­ra­dos, que mos­tram a sedu­ção de um casal numa mesa de jan­tar e depois cami­nhan­do para entrar num car­ro chi­que a cami­nho de casa, estão com os dias con­ta­dos. Sabe qual é, na opi­nião dos nos­sos entre­vis­ta­dos, o encon­tro a dois ide­al? Uma noi­te con­for­tá­vel assis­tin­do a um fil­me em casa. A inti­mi­da­de vai fican­do mais impor­tan­te do que as mais tra­di­ci­o­nais fan­ta­si­as sexu­ais.

O pri­mei­ro e mais evi­den­te impac­to é que nos pró­xi­mos anos vere­mos o assun­to sexu­a­li­da­de sain­do de qua­tro pare­des e cada vez mais ganhan­do o públi­co. Isso se dá pela mai­or aber­tu­ra em falar no assun­to – movi­men­to que nota­vel­men­te par­te das mulhe­res. Na nos­sa pes­qui­sa, 76% dos lati­nos afir­mam que con­ver­sar aber­ta­men­te sobre sexo é impor­tan­te para enten­der que aspec­tos da sexu­a­li­da­de mais gos­tam, o que satis­faz e agra­da a si mes­mo e aos outros. Tam­bém entra em cena a valo­ri­za­ção de outras for­mas de pra­zer. Entre os lati­nos, 55% enten­dem que tran­sar não é a úni­ca for­ma de satis­fa­zer seu dese­jo sexu­al. “Cari­nhos”, “jogos”, “amor” e “con­ver­sas” são pala­vras que apa­re­cem na nos­sa pes­qui­sa como for­mas de satis­fa­ção. Outra pro­va dis­so é o que cha­ma­mos de “efei­to Net­flix”: a mai­or par­te dos entre­vis­ta­dos (33%) afir­ma que o encon­tro ide­al é o que envol­ve uma noi­te con­for­tá­vel em casa. Já roman­tis­mo do jan­tar, depois de um fil­me no cine­ma, é o pro­gra­ma pre­fe­ri­do de 22%.

Uma mudan­ça de com­por­ta­men­to impor­tan­te como essa tam­bém impac­ta os negó­ci­os. Esta­mos falan­do aqui de uma bus­ca geral por espa­ços em que seja pos­sí­vel ter con­ver­sas hori­zon­tais e em que seja pos­sí­vel expor vul­ne­ra­bi­li­da­des. E é esse o dese­jo emer­gen­te: fazer cone­xões, tro­car idei­as, se ree­du­car. Na Amé­ri­ca Lati­na, 66% das pes­so­as con­si­de­ram mui­to impor­tan­te bus­car por qua­li­da­de nas rela­ções inter­pes­so­ais. Pen­se, por exem­plo, no impac­to para pon­tos de ven­da: eles são os por­to-segu­ros das mar­cas e devem, cada vez mais, ser luga­res que pro­por­ci­o­nam esse tipo de encon­tro.

Sexes­ti­ma é uma ten­dên­cia que nas­ce de uma mudan­ça no com­por­ta­men­to sexu­al, mas tem impac­to em diver­sas esfe­ras da vida dos lati­nos e, por­tan­to, no negó­cio das empre­sas”