COLU­NA

JAQUE­LI­NE WEI­GEL
Futu­ris­ta glo­bal, pós e neo-huma­nis­ta

VIRA­MOS REFÉNS DE PER­SE­GUI­ÇÕES DIGI­TAIS

Até recen­te­men­te, uma das melho­res manei­ras de atin­gir deter­mi­na­do con­su­mi­dor-alvo era atra­vés dos gati­lhos men­tais. Eles eram as estre­las do mar­ke­ting, e des­ven­dá-los sig­ni­fi­ca­va gerar um tre­men­do aumen­to nas ven­das.

Mas o que são gati­lhos men­tais?

Pode­mos com­pa­rá-los a uma espé­cie de arma­di­lha psi­co­ló­gi­ca que impac­ta a men­te de quem lê ou ouve uma men­sa­gem publi­ci­tá­ria, desen­ca­de­an­do uma rea­ção por par­te des­se con­su­mi­dor. E a rea­ção sem­pre ocor­re no sen­ti­do de gerar ou des­per­tar uma neces­si­da­de – geral­men­te incons­ci­en­te – para con­su­mir algo, seja um pro­du­to, seja um ser­vi­ço ou uma expe­ri­ên­cia. É impor­tan­te fri­sar que o gati­lho ape­nas des­per­ta uma deman­da que o con­su­mi­dor já tinha em algum recôn­di­to men­tal.

A uti­li­da­de de um gati­lho men­tal emer­ge tam­bém no enga­ja­men­to de deter­mi­na­do públi­co-alvo em tor­no de uma empre­sa ou orga­ni­za­ção, por exem­plo. Ao indu­zir um con­su­mi­dor a ati­var seus gati­lhos men­tais, desen­ca­de­a­mos uma liga­ção emo­ti­va em quem entra em con­ta­to com nos­sas mar­cas ou pro­du­tos.

Gati­lhos men­tais do mar­ke­ting foram tro­ca­dos por algo­rit­mos.

Con­tu­do, há algum tem­po os gati­lhos men­tais do mar­ke­ting foram tro­ca­dos por algo­rit­mos, uma nova for­ma de mani­pu­lar a soci­e­da­de para o con­su­mo exces­si­vo e super­fi­ci­al. Mui­tos de nós com cer­te­za já pas­sa­mos por situ­a­ções em que esses algo­rit­mos atu­am. Quem nun­ca pro­cu­rou um pro­du­to on-line e mais tar­de rece­beu um e‑mail com algo para com­ple­men­tá-lo? Quem de nós não con­ver­sou com alguém em uma rede soci­al sobre uma com­pra espe­cí­fi­ca, ape­nas para rece­ber um anún­cio des­se pro­du­to à ven­da logo em segui­da?

Tudo isso pode soar mui­to estra­nho, mas esse tipo de situ­a­ção é o resul­ta­do de algo­rit­mos com­ple­xos usa­dos para pre­ver e, em alguns casos, até influ­en­ci­ar nos­so com­por­ta­men­to. Inú­me­ras cor­po­ra­ções têm aces­so a uma quan­ti­da­de absur­da de dados sobre nos­sas pre­fe­rên­ci­as atu­ais e pas­sa­das de com­pras e de nave­ga­ção. Isso varia de dados tran­sa­ci­o­nais, trá­fe­go de sites e até pos­ta­gens de mídia soci­al. Os algo­rit­mos pre­di­ti­vos usam esses dados para fazer infe­rên­ci­as sobre o que pro­va­vel­men­te acon­te­ce­rá no futu­ro. Inclu­si­ve, pre­vi­sões sobre nos­sas pre­fe­rên­ci­as.

A meu ver, esse tipo de inge­rên­cia sobre nos­sos dados e, em últi­ma ins­tân­cia, sobre nos­sa vida pri­va­da, fere nos­sos direi­tos enquan­to con­su­mi­do­res livres. Bom­bar­de­a­dos com men­sa­gens à pri­mei­ra vis­ta ale­a­tó­ri­as de ser­vi­ços e pro­du­tos, aca­ba­mos geran­do neces­si­da­des que nos levam a con­su­mir mui­to mais do que neces­si­ta­mos. Isso leva a um con­su­mis­mo insus­ten­tá­vel para o pla­ne­ta. Daqui a algum tem­po, segun­do o pes­qui­sa­dor Yuval Hara­ri, toma­re­mos deci­sões não ape­nas de com­pra, mas tam­bém de com­por­ta­men­to, base­a­dos no que o Goo­gle nos diz, sem sequer nos dar­mos con­ta des­se fato. Cai­re­mos no cár­ce­re pri­va­do dos dados que nós mes­mos ali­men­ta­mos dia­ri­a­men­te?

Por isso, tan­to o con­su­mo cons­ci­en­te como a aten­ção ple­na tor­nam-se pre­men­tes para que siga­mos sen­do con­su­mi­do­res e cida­dãos livres.